Descida da água já permite acesso a Reguengo do Alviela

O nível das águas na bacia do Tejo tem vindo a descer gradualmente, tendo o Reguengo do Alviela deixado de estar isolado, mas a proteção civil mantém o Plano Especial de Emergência para Cheias no nível Amarelo.

Em comunicado, o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém afirma que se mantêm submersas 21 estradas no distrito (na sua maioria rurais e municipais), entre as quais a EN 365 entre Vale de Figueira e a ponte do Alviela, que impossibilita o acesso à povoação de Reguengo do Alviela pelo lado de Santarém.

Contudo, o acesso à povoação, que só se fazia por barco desde a passada terça-feira, já é possível pelo lado do Pombalinho (Golegã), afirma a nota.

Segundo o CDOS de Santarém, a informação disponibilizada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e pela EDP produção faz prever para o dia de hoje pequenas oscilações nos caudais lançados nas barragens, que tem originado uma ligeira descida no nível hidrométrico da bacia do Tejo.

Os caudais em Almourol mantiveram-se abaixo dos 2.000 metros cúbicos por segundo, ao longo da madrugada de hoje, prevendo-se a manutenção destes valores nas próximas horas.

Na bacia hidrográfica do Sorraia, as barragens de Maranhão e Montargil continuam a 100%, mas os valores das descargas de superfície nas últimas horas diminuíram. A barragem do Maranhão regista 44 metros cúbicos por segundo de descarga de fundo e a barragem de Montargil reduziu as descargas de superfície tendo estabilizado nos 55,20 metros cúbicos por segundo, adianta o comunicado.

"A estabilização dos caudais do rio Tejo não se pode ainda considerar como um desagravamento da situação de cheias", frisa o CDOS, que mantém as recomendações para que as populações retirem das zonas normalmente inundáveis animais, equipamentos agrícolas e industriais, viaturas e outros bens e que não atravessem, com viaturas ou a pé, estradas ou zonas alagadas.

As previsões meteorológicas para os próximos dias apontam para o desagravamento das condições meteorológicas, embora ainda com possibilidade de chuva fraca, o que pode significar um desagravamento nos caudais afluentes das barragens, acrescenta.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG