Catarina Martins apanhada por programa da SIC

A porta-voz do Bloco de Esquerda reagiu a uma cena de violência entre namorados em "E Se Fosse Consigo"

Catarina Martins foi a única pessoa que parou e interferiu numa cena de violência entre namorados encenada no programa E Se Fosse Consigo, emitido ontem à noite na SIC. A porta-voz do Bloco de Esquerda, ao contrário de outras pessoas que assistiram à situação passada num jardim público, ficou visivelmente nervosa, questionou o agressor e telefonou para a polícia.

Catarina Martins começou por perguntar à vítima se precisava de ajuda. Quem respondeu, negativamente, foi o agressor. A deputada explicou que era difícil acreditar na resposta, vinda precisamente de quem estava a agredir. Perante os argumentos do jovem, de que se tratava de uma discussão entre namorados, a porta-voz do Bloco de Esquerda chamou a atenção para o facto de a discussão entre namorados ser um crime público.

A deputada fez então um telefonema pessoal sem se afastar dos jovens. Depois, propôs ao rapaz deixar a namorada em paz e ir conversar com ela. Finalmente, Catarina Martins fez um telefonema para a polícia.

Esclarecida de que se tratava de uma encenação para o programa de Conceição Lino, a líder do Bloco de Esquerda alertou que ninguém pode ficar indiferente perante este tipo de situações.

Entretanto, no Facebook, reafirmou essa ideia.

Além de Catarina Martins, nenhuma das pessoas que presenciou a cena fez alguma coisa para a travar. Mas, três deles (uma mulher e pai e filha adolescente) alegaram que foram à procura de um agente da polícia que pudesse intervir.

Um estudo sobre violência no namoro realizado junto de 2500 jovens e divulgado em fevereiro revelou que cerca de 22% dos jovens consideram "normal" a violência no namoro, seja física, sexual ou psicológica.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG