Cândida Almeida diz que o seu processo será arquivado

A anterior diretora do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) Cândida Almeida afirmou na sexta-feira ter confirmado que o inquérito de que foi alvo está em fase de decisão e "com proposta de arquivamento".

Cândida Almeida, que falava na apresentação do livro Pensamentos, do fundador do Clube dos Pensadores, Joaquim Jorge, em Vila Nova de Gaia, disse que o inquérito de que foi alvo na sequência do seu afastamento do DCIAP "está em fase de decisão" do Conselho Superior do Ministério Público, "com proposta de arquivamento".

"Confirmei que é assim", acrescentou.

Questionada por Joaquim Jorge, a magistrada declarou que faz "um balanço positivo" da sua passagem pela DCIAP, no qual ergueu "um edifício de justiça que levou banqueiros, ex-políticos e ex-autarcas a tribunal".

Mas a magistrada recusou falar mais sobre o seu afastamento do DCIAP pela atual procuradora-geral da República: "Ainda estou envolvida emocionalmente", alegou, frisando que esteve 12 anos à frente daquele serviço.

Na apresentação do livro, Cândida Almeida afirmou que é com o "grito de revolta" e "a indignação" que se vai alterar as coisas em Portugal e considerou que "é muito perigoso para a democracia" alinhar com os que apregoam que "os políticos não prestam".

"A democracia exige que se lute, mas não fiquemos com a desconfiança pelos políticos. Vamos mudá-los, isso é que importa", propôs.

"É com a nossa força, o nosso grito de revolta e o nosso direito à indignação que vamos alterar as coisas", acrescentou, salientando que "este divórcio entre eleitor e eleito pode fazer perigar a nobreza da democracia".

Para Cândida Almeida, "há que combater pela indignação, pela luta de ideias, pela contestação pacífica, pelo inconformismo à estagnação democrática que alastra não só aqui, no país, mas em toda a Europa".

"Não deixem que o desencanto, a inércia e o conformismo acabe e destrua os ideais de 25 de Abril. Temos o direito à indignação, a manifestá-la publicamente, até que a voz nos doa", afirmou

A ex-responsável pelo DCIAP disse ainda que "a classe política não pode, não tem mandato para exceder a vontade do povo, que não se resume a manifestar-se no dia do sufrágio".

"Não vale desistir e desacreditar e perder os elos que nos ligam aos nossos representantes políticos. Importa é recolocá-los no caminho", sustentou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG