Cândida Almeida "continua diretora do DCIAP"

Cândida Almeida "continua a ser a directora" do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), confirmou hoje a Procuradoria Geral da República após uma reunião entre a magistrada e o procurador geral, Pinto Monteiro.

O procurador geral da República, Fernando Pinto Monteiro, reuniu-se esta tarde com a directora do DCIAP, tendo sido abordadas questões relacionadas com processos que correm neste departamento do Ministério Público, segundo a PGR.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a Procuradoria Geral da República (PGR) confirma que Cândida Almeida se mantém à frente do DCIAP, desmentindo mais uma vez que a procuradora geral adjunta tenha pedido a demissão do cargo.

"Já se desmentiu a notícia que a Dr.ª Cândida Almeida tenha alguma vez pedido a demissão, pelo que continua a ser a directora do DCIAP", lê-se na nota.

No sábado, o Expresso dava conta que um profundo mal-estar no DCIAP terá levado Cândida Almeida a pedir um voto de confiança ao procurador geral da República.

O DCIAP é o departamento do Ministério Público que investiga os processos mais complexos, nomeadamente de criminalidade económica-financeira, entre os quais o caso Freeport ou da compra de submarinos.

Na altura do despacho final do caso Freeport, o PGR anunciou a abertura de um inquérito "para o integral esclarecimento de todas as questões de índole processual ou deontológica" que o processo pudesse suscitar, o que, segundo a imprensa, terá desagradado à directora do DCIAP.

O PGR adiantou, numa nota emitida na altura, que tal inquérito visava igualmente apurar "eventuais anomalias registadas na concretização de actos processuais".

O inquérito relativo ao caso Freeport foi encerrado com os procuradores Vítor Magalhães e Paes Faria a colocarem no despacho final 27 perguntas que gostariam de ter feito ao primeiro ministro, José Sócrates, mas que não fizeram alegando falta de tempo.

O processo Freeport teve na sua origem suspeitas de corrupção e tráfico de influências na alteração à Zona de Protecção Especial do Estuário do Tejo e licenciamento do espaço comercial em Alcochete quando era ministro do Ambiente José Sócrates, actual primeiro ministro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG