Burlão e notário falsificaram testamento de milhões

Um homem pretendia, através da falsificação de uma assinatura, tornar-se herdeiro de um património de vários milhões de euros.

Uma investigação da Polícia Judiciária de Lisboa levou à detenção de três homens na zona da Grande Lisboa, com idades entre os 40 e os 47 anos, indiciados pelo crime de falsificação de documentos.

Um dos detidos pretendia, através da falsificação de uma assinatura, tornar-se indevidamente o herdeiro e beneficiário de um património vastíssimo, na ordem de vários milhões de euros, comunicou ontem a diretoria de Lisboa da Judiciária.

O alegado burlão recorreu a outro dos suspeitos agora detidos, um notário de profissão. Este, através da prática de atos decorrentes do exercício das suas funções, conseguiria legitimar a falsificação da assinatura no documento.

Os detidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhes sido aplicadas várias medidas de coação, como proibição de contatos entre eles e suspensão de funções (esta só aplicada ao notário).

Mais Notícias