Bolseiros entregam carta de protesto a Crato

Bolseiros de investigação científica vão entregar, hoje de manhã, uma carta aberta ao ministro da Educação e Ciência, para reclamar a resolução de problemas como o atraso no pagamento de bolsas.

Na carta intitulada "Sem Ciência não há futuro", que será entregue no Palácio das Laranjeiras, em Lisboa, os bolseiros de investigação científica pretendem denunciar a "grande precariedade" das suas condições de trabalho, caracterizadas por atrasos no pagamento de vencimentos e renovação de bolsas, por parte da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

"Representa um impensável desperdício económico em época de crise", porque "é o investimento de décadas na Educação que agora abandona o país", alertam os autores da carta, que é também uma petição que já recolheu mais de 3200 assinaturas através da Internet.

Os bolseiros reclamam de Nuno Crato que ajude a regularizar a transferência de verbas destinadas a pagar bolsas por parte da FCT, que deve dar "prioridade à análise" das candidaturas a bolsas, e pagar a sua parte do seguro social voluntário, que os bolseiros pagam a dobrar, e pelo qual demoram meses a ser reembolsados.

Com um processo tão problemático de processamento de bolsas, os investigadores reclamam também um melhor sistema de atendimento telefónico e correio eletrónico para resolução de dúvidas e atendimento de queixas.

Os bolseiros reclamam do ministro Nuno Crato que interceda junto dos seus colegas no Governo, para que o executivo "assuma, como prioritária", uma política que favoreça a criação de emprego para absorver a mão-de-obra qualificada do setor.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG