Autocarro espanhol tinha passado "todas" as inspeções técnicas

O autocarro espanhol acidentado no IC8, no domingo, tinha passado "todas" as inspeções técnicas no país vizinho e efetuava transporte escolar, sendo alugado, aos fins de semana, para excursões, disse hoje um responsável da empresa ao jornal Hoy.

Na sua página na Internet, este jornal diário da Estremadura espanhola, região vizinha do Alentejo, cita Albino Herrera, genro do proprietário da empresa a que pertence o autocarro, a Rabazo Autocares.

O veículo encontrava-se "em boas condições para circular", tanto em Espanha como em Portugal, segundo o responsável citado pelo Diário Hoy.

O autocarro "passou em todas as ITV [Inspeções Técnicas de Veículos] e encontra-se em boas condições", insistiu Albino Herrera, referindo que as autoridades de trânsito de Portugal terão comunicado à empresa que, "à primeira vista, os travões e as rodas" da viatura "estavam bons".

Este veículo da Rabazo Autocares, situada na localidade de La Codosera, na província de Badajoz e a cerca de cinco quilómetros da fronteira com o concelho alentejano de Arronches, costumava ser alugado, "aos fins de semana, para excursões e serviços ocasionais", afirmou Albino Herrera.

Durante a semana, escreve o jornal espanhol, citando a mesma fonte, o veículo assegurava o transporte escolar entre os municípios de La Codosera e Albuquerque, este último também na província de Badajoz.

A viatura envolvida no acidente de domingo, numa zona do IC8 no concelho de Sertã, segundo a garantia dada ao jornal por Albino Herrera, tinha sido matriculada "em 1999-2000", quando "ainda não era obrigatório" em Espanha a instalação de cintos de segurança em todos os lugares nos veículos de longo curso.

A legislação espanhola estabelece que só os veículos de longo curso posteriores a 2007 têm de disponibilizar cintos de segurança em todos os lugares, enquanto em Portugal a imposição vigora desde 1999.

Em declarações ao Diario Hoy, Albino Herrera confirmou que o autocarro que sofreu o acidente só tem cintos de segurança em alguns lugares, o que já tinha sido hoje avançado à agência Lusa pelo organizador da excursão, Luís Barbas.

O motorista da viatura pesada de passageiros, natural do concelho alentejano de Nisa e também ferido no acidente, trabalhava há seis anos para a empresa Rabazo, refere ainda o diário espanhol.

O despiste ocorreu no domingo de manhã, no IC8, no nó do Carvalhal, concelho de Sertã, e provocou 11 mortos e um número elevado de feridos, alguns dos quais em estado grave.

A viatura, transportando um grupo de 44 pessoas, quatro delas crianças, partira de Portalegre em direção a São Paio de Oleiros (Santa Maria da Feira), para uma visita a uma exposição denominada "O maior presépio do mundo".

Das 11 pessoas que morreram, dez eram do concelho de Portalegre e a outra da freguesia de Assumar, do vizinho concelho de Monforte.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG