Associações de socorros recusam transporte em táxis

As associações de socorros do país afirmaram hoje em Torres Vedras que temem que o novo regulamento de transportes de doentes venha a incluir os táxis, durante o encontro anual do setor.

"Na última versão do regulamento, que está em discussão, o Governo incluiu o transporte de doentes em táxis, mas esperamos que, na versão definitiva do documento, não venha a acontecer", disse hoje, em declarações à agência Lusa, José Damas Antunes, presidente da Associação Nacional de Transporte em Ambulância (ANTRA).

O dirigente da organização, que junta todas as entidades sem fins lucrativos que transportam doentes em ambulâncias, explicou que os taxistas "não têm formação na área nem os veículos condições de segurança e de higiene" para tal.

"Há no país ambulâncias suficientes para fazer esse transporte e, se esse transporte for autorizado aos táxis, muitas associações teriam de transformar os veículos e adequá-los a outros serviços e corriam o risco de entregar os benefícios fiscais de que beneficiam", alertou.

A preocupação tem sido transmitida ao Governo, assim como a possibilidade de ambulâncias de transportes de doentes puderem voltar, por via legal, a fazer transportes de urgência em casos que não impliquem qualquer risco de vida para o utente.

"Se uma pessoa que corta um dedo precisa de ser transportada com urgência de ambulância, deviam ser as associações de socorros a fazê-lo e não o Instituto Nacional de Emergência Médica", exemplificou o dirigente, para quem a medida "é uma questão de proximidade e de poupança para o país".

No encontro em Torres Vedras, a ANTRA alertou também o Governo que "há pessoas carenciadas que deveriam ser apoiadas no transporte de ambulâncias e não estão a sê-lo", estando muitas associações de socorros a garantir esse transporte de forma gratuita, por solidariedade social.

A ANTRA tem 30 associações e socorros e outras entidades sem fins lucrativos que asseguram o transporte de doentes em ambulância, de um total de 50 existentes em todo o país.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG