Ameaça de bomba na Assembleia Municipal da EPUL

O Fórum Lisboa, na Avenida de Roma, foi hoje evacuado devido a um telefonema anónimo denunciando a existência de uma bomba. PSP esteve no local. Não havia qualquer explosivo.

O telefonema ocorreu pelas 14.44 quando estava para ser discutida a extinção da Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL).

Elementos da PSP deslocaram-se para o local e procederam a uma vistoria. Nada encontraram e deixaram os trabalhos prosseguir normalmente. No local ficaram apenas agentes da Polícia Municipal.

A Câmara de Lisboa aprovou em dezembro a proposta de extinção da EPUL, justificando-a com a necessidade de preservar o património da empresa e de garantir os direitos de credores e trabalhadores.

As portas da Assembleia Municipal de Lisboa, na Avenida de Roma, foram abertas perto das 16.00.

Ao que o DN apurou junto de fonte da Polícia MUnicipal, a ameaça terá sido feita por telefone, tendo o edifício sido evacuado.

Durante cerca de uma hora, deputados, vereadores e publico concentraram-se à porta do Fórum Lisboa a aguardar o início de uma sessão que tem como ponto principal da ordem de trabalhos a confirmação da proposta de extinção da Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), fortemente contestada pelos trabalhadores.

"Somos alheios à ameaça de bomba", assegurou ao DN Fernando Salgueiro, porta-voz da comissão de trabalhadores da empresa municipal, repudiando a situação.

A discussão da proposta, aprovada na Câmara em dezembro, começou cerca das 16.15 e decorre com normalidade.

A Câmara de Lisboa aprovou em dezembro a proposta de extinção da EPUL, justificando-a com a necessidade de preservar o património da empresa e de garantir os direitos de credores e trabalhadores.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG