Álvaro Sobrinho terá desviado quase 500 milhões de euros

Fuga de informação foi partilhada pela publicação alemã "Der Spiegel" com o semanário Expresso e mostra como o banqueiro terá conseguido desviar verbas que incluíram 227 milhões de depósitos em dinheiro vivo

Álvaro Sobrinho, antigo CEO do Banco Espírito Santo Angola (BESA), é suspeito de ter recebido de forma indevida, através de três companhias angolanas, um total de 433 milhões de dólares do banco. O empresário luso-angolano terá ainda recebido mais 182 milhões de dólares através de duas empresas offshore, num total de 615 milhões de dólares (499 milhões de euros) que teriam sido concedidos pelo BESA a título de empréstimos a empresas.

A notícia é avançada na edição deste sábado do semanário Expresso, que cita documentos obtidos pela revista alemã "Der Spiegel" e partilhados com o jornal português no âmbito de um consórcio internacional de jornalismo de investigação.

Entre os documentos estão extratos bancários, e-mails e ficheiros Excel que indicam movimentos como esse depósito de 277 milhões de dólares em dinheiro vivo numa conta do BESA, mas também o levantamento de quase 50 milhões de dólares em numerário de uma companhia controlada por Álvaro Sobrinho.

O empresário terá feito um depósito de metade desse valor logo no dia seguinte - a 17 de julho de 2012 - numa conta da Ocean Private - uma operação detalhada na troca de emails entre Sobrinho e um familiar.

O buraco financeiro de 5,7 mil milhões de dólares detetado no BESA, em 2013, foi impactante para as perdas do BES em Portugal e foi um dos fatores que levou o Grupo Espírito Santo (GES) ao colapso no ano seguinte.

Esta investigação mostra como centenas de milhares de dólares tiveram como destino entidades controladas pelo antigo presidente executivo do BESA.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG