Ventura tenciona suspender mandato para participar na campanha

Presidente do Chega citou Salazar e revelou que quer ser a terceira força política mais votada nas autárquicas de setembro. Partido vai apresentar-se a 250 câmaras.

André Ventura quer o Chega como terceira força política mais votada nas eleições autárquicas e pretende suspender o mandato de deputado para participar na campanha.

No encerramento de um encontro nacional do partido de preparação das autárquicas de 26 de setembro, em Santarém, Ventura citou Salazar, afirmando que os candidatos do Chega se apresentarão a estas eleições "orgulhosamente sós", enquanto outros "se deitam debaixo do PSD para conseguir um lugar ao sol".

"Já podemos assegurar que teremos mais de 250 câmaras municipais a que nos candidataremos em Portugal", declarou o presidente e deputado único do Chega, no auditório do Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), recebendo palmas.

André Ventura traçou como "grande objetivo" para as eleições autárquicas fazer do Chega "a terceira força política mais votada" e disse que ficará "muito desiludido" se isso não acontecer.

"Durante a campanha autárquica suspenderei o meu mandato na Assembleia da República para andar ao vosso lado nas estradas deste país", acrescentou o presidente do Chega.

Por altura das eleições regionais de 2020 nos Açores e quando se apresentou às presidenciais de 26 de janeiro deste ano, André Ventura também anunciou a intenção de suspender o mandato de deputado na Assembleia da República, mas isso não era permitido pelo Estatuto dos Deputados, que está atualmente a ser revisto na sequência de iniciativas legislativas do PSD e do CDS-PP.

Este encontro em Santarém denominado Convenção Autárquica Nacional contou com cerca de 400 participantes, segundo o Chega, partido constituído em 2018, que vai concorrer pela primeira vez a eleições autárquicas.

Na sua intervenção, Ventura pediu "lealdade e irreverência" aos candidatos autárquicos do Chega, frisando que no dia seguinte às eleições "o partido não desaparece, nem o seu líder deixa de existir, nem a direção nacional, nem as comissões políticas distritais".

O presidente do Chega adiantou que vai encarregar o gabinete de estudos do partido de elaborar "uma matriz de intervenção autárquica", que será como uma "enciclopédia" das posições a defender pelos candidatos autárquicos: "Para que de todos sejamos um, e para que o corpo seja unido àquilo que defendemos".

Antes, também Patrícia Carvalho, assessora de comunicação e vogal da direção nacional do Chega, falou aos participantes neste encontro sobre a "necessidade de uniformizar a mensagem e uniformizar toda a comunicação".

"É importante também terem em conta que as convicções pessoais jamais se podem sobrepor aos ideais do partido. Podemos ou não concordar com aquilo que o partido defende, mas se não concordamos então também não falamos nisso em público, muito menos a um jornalista", recomendou Patrícia Carvalho.

Nas anteriores eleições autárquicas, de 2017, o agora presidente do Chega estava no PSD, que o escolheu para candidato à Câmara Municipal de Loures. O CDS-PP, então liderado por Assunção Cristas, retirou o seu apoio a essa candidatura considerando que as posições de Ventura sobre a comunidade cigana configuravam racismo e xenofobia.

André Ventura foi eleito vereador em Loures, cargo que exerceu, sem pelouros, durante cerca de um ano, até outubro de 2018, quando renunciou ao mandato, depois de se desfiliar do PSD, para criar um novo partido.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG