"Todas estas medidas são cortes adicionais", acusa PCP

O líder parlamentar comunista defendeu que "não haverá saída da troika enquanto Governo estiver em funções". E aponta o dedo a "terrorismo social" do Executivo dp PSD/CDS.

João Oliveira afirmou esta terça-feira à tarde que "não haverá saída da troika enquanto o Governo estiver em funções". Em causa estão as medidas anunciadas pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

"Aquilo que a ministra das Finanças veio anunciar foi que, afinal de contas, para 2015, além da duração do pacto [de entendimento], haverá mais cortes. Portanto, são cortes adicionais que o Governo toma como opção para insistir neste programa de terrorismo social", atirou.

E insistiu na ideia de um Governo que governa à imagem e semelhança da troika: "O Governo, se tiver condições para isso, vai pretender perpetuar toda a política da troika." E exemplificou com uma expressão usada por Maria Luís Albuquerque: "A racionalização é um eufemismo para impor condições indignas na Saúde. A ministra acabou de nos dizer mais do mesmo.

No final, o líder parlamentar comunista prometeu mobilizar "todas as nossas forças para que os portugueses se concentrem nestes objetivos: derrotar e demitir o Governo e exigir eleições antecipadas".

Mais Notícias