Suzana Garcia já tem o ok de Rio. E Isaltino vai ter - mas para já espera

Sociais-democratas divulgaram mais 53 candidatos a presidentes de câmara, entre os quais Suzana Garcia, para a Amadora. Isaltino também vai ter o apoio do partido - mas a decisão não está oficialmente tomada.

Rui Rio já decidiu que o PSD apoiará a candidatura independente de Isaltino Morais em Oeiras - que tentará a sua 9ª eleição como presidente daquela autarquia. Esta quarta-feira, dia em que a direção do partido anunciou mais 53 candidatos a presidentes de câmara, o caso Isaltino não foi no entanto resolvido. Mas a decisão está tomada e Rio apenas adiou o seu anúncio.

A isso não foi alheio o facto de o apoio do PSD a mais uma recandidatura independente de Isaltino ter sido objeto de forte contestação por parte de dois vice-presidentes do partido, David Justino e Isabel Meirelles (que em 2017 foi a candidata do partido a Oeiras, não obtendo mais do que 8,77 por cento).

Fonte do PSD garante que a equipa de isaltino Morais já está a negociar com as estruturas locais do PSD os lugares nas listas, com o presidente da distrital de Lisboa do PSD e com o líder da concelhia de Oeiras do partido.

A direção nacional está consciente do facto e sabe que localmente o partido alinharia todo ou quase todo com Isaltino mesmo que o PSD apresentasse uma candidatura própria, como fez em 2017. E se isso acontecesse, a direção nacional teria depois de iniciar um processo de expulsão de todos os militantes oeirenses que, apoiando Isaltino, se opusessem à candidatura oficial do partido.

Dito de outra forma: a fusão do PSD de Oeiras com Isaltino é um facto consumado. E nem é de estranhar que assim seja: Isaltino foi militante do partido até 2005 e desde 1985 que conquistou sucessivas vezes a presidência da câmara encabeçando listas do PSD.

Em 2002 chegou a ser ministro (Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente) mas só por escassos meses, até surgirem na imprensa notícias de que era suspeito de corrupção. De 2013 a 2014, durante 426 dias, esteve preso, na Carregueira (arredores de Lisboa). Em 2017, agora como candidato independente, voltaria a candidatar-se à câmara de Oeiras, vencendo, como sempre aconteceu desde 1985.

Ontem, ao anunciar mais candidatos autárquicos, o secretário-geral do PSD, José Silvano admitiu que na reunião da CPN (Comissão Política Nacional) de terça à noite o apoio do partido à candidatura de Isaltino foi "analisado". Contudo, acrescentou, a CPN "não chegou a uma conclusão definitiva e quer mais tempo para a discussão sobre esta matéria".

PSD "onde cabem todos"

Na mesma reunião, foi aprovado por unanimidade - ou seja, também com o voto de Rui Rio - que a independente Suzana Garcia será a candidata do partido à câmara da Amadora. Uma decisão controversa visto que a advogada, ex-comentadora de casos de polícia na TVI, tem um perfil ideológico muito próximo do Chega de André Ventura (defendendo, por exemplo, a castração química de pedófilos reincidentes).

"A posição da Suzana Garcia - que não se candidata à Assembleia da República para legislar, mas para a Câmara da Amadora - é uma posição que, no entender do PSD e que ela própria explica, não é de castração química, mas uma terapia medicamentosa de controlo da libido e apenas para reincidentes pedófilos."

José Silvano justificou o apoio da direção nacional a esta proposta da concelhia da Amadora - também secundada pela distrital - dizendo que "o PSD é um partido onde cabem todos, desde que não ponham em causa os valores essenciais da social-democracia". "Convivemos bem com a diferença de opiniões e não condenamos ninguém por delito de opinião", começou por dizer. Segundo acrescentou, a CPN não viu nas declarações pública de Suzana Garcia "algo que não pudesse ser admitido no âmbito da pluralidade de opiniões deste partido".

"O PSD nunca apoiará nenhum candidato que seja racista e xenófobo. Baseia-se nas próprias declarações da candidata, que podem consultar, que é estrutural e geneticamente antirracista e afirma sem hesitações que condena o racismo."

José Silvano considerou ainda que a advogada tem "um perfil adequado ao concelho a que se candidata" e defendeu que tem "fortes possibilidades" de ganhar a Amadora. Questionado se as posições da candidata sobre castração química a aproximam do Chega, frisou que a posição do partido em relação a este tema é claramente contra e já foi expressa no Parlamento: "A posição da Suzana Garcia - que não se candidata à Assembleia da República para legislar, mas para a Câmara da Amadora - é uma posição que, no entender do PSD e que ela própria explica, não é de castração química, mas uma terapia medicamentosa de controlo da libido e apenas para reincidentes pedófilos."

E assim - afirmou - tal posição "consegue enquadrar-se na pluralidade que o partido tem para os candidatos às câmaras do país", admitindo que, se fosse candidata ao parlamento, teria "outro crivo de análise". Da mesma forma, Silvano rejeitou que Suzana Garcia tenha manifestado posições racistas. "O PSD nunca apoiará nenhum candidato que seja racista e xenófobo. Baseia-se nas próprias declarações da candidata, que podem consultar, que é estrutural e geneticamente antirracista e afirma sem hesitações que condena o racismo."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG