Seguro quer suspender processo de privatização da TAP

O secretário-geral do PS, António José Seguro, defendeu hoje a suspensão da privatização da TAP, considerando que, enquanto o Governo não legislar e definir a defesa do interesse nacional nas privatizações, estes processos devem ser suspensos.

António José Seguro foi hoje questionado pelos jornalistas, no Porto, à margem da reunião com a Plataforma da Cidadania na federação do PS/Porto, sobre os valores envolvidos na privatização da TAP, reiterando que defende a suspensão do processo.

"Não é um problema de números. A TAP não é uma empresa qualquer. Não está aqui em causa quem é que dá mais, está aqui em causa um instrumento estratégico para a vida do nosso país", considerou.

O líder socialista recordou que em julho do ano passado o PS apresentou "uma proposta que foi aceite pela maioria no sentido de o Governo ser obrigado a legislar" e definir os critérios de "defesa do interesse nacional nas privatizações".

"O Governo não fez. Porque é que não fez? Devia tê-lo feito, estava obrigado por uma lei que a própria maioria votou, proposta pelo PS. Enquanto essa lei não for regulamentada", enquanto não ficar claro quais são os critérios de defesa dos interesses dos ativos estratégicos nacionais, "como é o caso da TAP", o PS defende a suspensão dos processos de privatizações, sublinhou.

O empresário German Efromovich, dono do grupo Synergy, já entregou a proposta vinculativa para a compra da TAP, tendo cumprido o prazo que terminava às 12:00 de sexta-feira, confirmou à Lusa fonte oficial do grupo.

Fonte oficial do grupo Synergy confirmou à Lusa que a proposta de aquisição da companhia aérea nacional foi entregue à Parpública, empresa gestora das participações públicas, dentro do prazo previsto pelo Governo, que pretende fechar o processo de privatização até ao final do ano.

No entanto, o Governo português já admitiu poder congelar o processo de privatização da TAP caso a proposta agora entregue não assegure o interesse nacional.

Já na quinta-feira, em entrevista à TVI, António José Seguro considerou que o interesse nacional não está a ser salvaguardado no processo de privatização da TAP.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG