Santos Silva admite responsabilidades do Governo no pico da pandemia

"Claro que o Governo assume a responsabilidade", disse Santos Silva na CNN Internacional, questionado sobre a abertura no Natal. Mas atribuiu o agravamento de casos e mortes sobretudo à variante inglesa do vírus.

Numa entrevista ao programa Connect the World with Becky Anderson, do canal televisivo CNN Internacional, Santos Silva disse acreditar que a variante do novo coronavírus inicialmente detetada no Reino Unido foi o principal fator por detrás do pico de novos casos de contágio em Portugal, em janeiro.

Contudo, o chefe da diplomacia portuguesa reconheceu que o relaxamento de medidas de combate à pandemia no Natal também pode ter contribuído para a grave situação da crise sanitária em Portugal.

Quando a jornalista perguntou a Santos Silva se o abrandamento nas medidas de contenção no Natal e no Ano Novo estariam por detrás do pico de contágios e de mortes em janeiro, o ministro corrigiu-a e lembrou que a suavização de restrições apenas aconteceu durante o período natalício, "quando as pessoas puderam ir visitar a família".

Santos Silva atribuiu o agravamento da situação pandémica ao aparecimento em Portugal da nova variante inicialmente detetada no Reino Unido, que "representa cerca de metade dos novos casos" no território, mais do que ao relaxamento das medidas.

"Na altura, julgámos que havia condições para facilitar. Mas, na verdade, acreditamos que a nova variante do Reino Unido foi a principal razão", acrescentou Santos Silva.

Questionado sobre se, com essa resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros português estava a rejeitar qualquer responsabilidade sobre eventuais "erros cometidos" pelo seu Governo, Santos Silva esclareceu que não estava a demarcar-se de culpas.

"Claro que o Governo assume a responsabilidade", disse Santos Silva, referindo-se ao facilitar de regras na altura do Natal.

O chefe da diplomacia portuguesa também admitiu o "impacto devastador" da pandemia na economia portuguesa, sobretudo porque a crise sanitária está a "afetar particularmente os setores do turismo e da aviação".

"Na indústria e na agricultura as coisas estão bem", disse Santos Silva, mostrando confiança em que a economia portuguesa possa recuperar ainda este ano, embora sabendo das dificuldades que se colocam aos empresários portugueses.

"Sou otimista, mas realista", disse Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros também reconheceu que o plano de vacinação em Portugal está atrasado, como no resto da Europa, dizendo que apenas 4% da população foi para já vacinada.

"Mantemos a intenção de ter 70% da população adulta vacinada até setembro", explicou Santos Silva, atribuindo a responsabilidade pelos atrasos atuais à falta de fornecimento de vacinas por parte das empresas farmacêuticas.

"O fornecimento de vacinas está muito aquém do que foi contratualizado" pela União Europeia, disse Santos Silva, que tem agora também responsabilidades neste processo, no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Depois de ver imagens de uma peça jornalística sobre as dificuldades dos hospitais portugueses durante o período crítico de janeiro, Augusto Santos Silva disse que o sistema de saúde em Portugal foi sujeito "a uma enorme pressão", mas acrescentou que "nunca chegou a colapsar".

O chefe da diplomacia portuguesa disse que os números da pandemia estão agora muito melhores, como resultado do confinamento a que o país foi sujeito desde final de janeiro, mas disse que as medidas de contenção terão de se prolongar "provavelmente, até depois da Páscoa".

Santos Silva disse ainda que Portugal é um dos países do mundo a realizar mais testes para o novo coronavírus e que está com uma política de controlo da propagação da pandemia muito apertada, nomeadamente através do fecho de fronteiras.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.368.493 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.885 pessoas dos 778.369 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG