Santana quer três mandatos. Para uma Figueira da Foz "liderante"

O candidato admitiu que foi a "malta nova" foi quem mais o incentivou a regressar ao município que liderou entre 1997 e 2001.

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, que hoje apresentou a candidatura à Câmara da Figueira da Foz, 24 anos depois o ter feito pela primeira vez, garantiu ser sua intenção cumprir os três mandatos para um município "liderante".

Depois de ter sido presidente daquele município do distrito de Coimbra entre 1997 e 2001 pelo PSD, Santana Lopes, que agora se apresenta pelo movimento "Figueira a Primeira", disse hoje ter então saído da Figueira da Foz para conquistar Lisboa, por "imperativo nacional".

Desta vez, contudo, o antigo presidente do PSD e ex-secretário de Estado prometeu três mandatos, o máximo permitido por lei, e uma Figueira da Foz "na frente, liderante".

"A Figueira da Foz tem de ser a capital do mar. A Figueira tem de liderar na investigação e na ciência, e, por isso, vai nascer entre a Costa de Lavos e a Gala um centro de investigação em ciências do mar", disse, além de um centro de investigação da floresta.

Admitindo que a "malta nova" foi quem mais o incentivou a regressar à Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes exigiu respeito pelo município e lembrou a "falta de respeito" que existe atualmente, com quatro pessoas a administrarem o Porto da Figueira, mas que são de Aveiro.

"Mas que foi feito nestes últimos 20 anos? Como está o Oásis (na praia)? Como está o Paço de Maiorca? O Convento de Seiça?", perguntou.

Santana Lopes prometeu também um município com mais "amor próprio, com brio", um concelho "limpo e ordenado", sem "este caos que se vê por aí".

O candidato garantiu ainda que "nenhuma árvore será deitada abaixo, a não ser por razões de emergência pública", e disse querer uma Figueira atrativa o ano todo e não apenas no verão.

"É preciso saber e acertar no caminho. Acertar na estratégia. É preciso constituir encarregados de missão, que custem pouco ao município, mas que levem os projetos por adiante".

Sobre a dívida que terá eventualmente deixado, Santana Lopes disse que essa foi uma "boa despesa", porque foi feita em equipamentos "que podem ser usados durante várias gerações".

Garantindo mais apoios e "energia" para as associações e coletividades, Santana exige para o município camas em unidades de cuidados continuados e explicou que irá reduzir a dívida, sem prometer, para já, redução de impostos.

Uma cidade "mais culta", um porto "ampliado", eventualmente com um "terminal" na margem esquerda do Mondego, são outras das ideias do movimento "Figueira a Primeira".

A aposta em professores de artes para as crianças do concelho é outro dos investimentos previstos.

"Como vamos fazer a Figueira viver melhor? A Figueira tem de ganhar o comboio do futuro, tem de ser liderante. Estou convencido de que posso ser útil e porque gosto muito do trabalho autárquico. Venho para a Figueira entusiasmado e convencido de que posso melhorar a vida das pessoas. Não aceito ver uma série de terras a evoluir e a Figueira a marcar passo, com pessoas resignadas. Há um centralismo bacoco em Portugal, que castiga. E isso tem de ser combatido".

Santana Lopes disse, por fim, estar de volta para "pôr o município na ordem", elencando um conjunto de trabalhos que deviam ter sido feitos nos últimos anos, mas que, na sua opinião, não foram.

"Uma maioria clara e inequívoca" foi um dos últimos pedidos de Santana Lopes, que quer "trabalhar a sério pela melhoria de vida dos figueirenses" e que estará a "tempo inteiro", com o pelouro das Obras Municipais e Infraestruturas.

Na Figueira da Foz, estão anunciadas as candidaturas de Rui Curado Silva (BE), Pedro Machado (PSD), Miguel Mattos Chaves (CDS-PP), João Carlos Domingues (Chega), Pedro Santana Lopes (independente), Carlos Monteiro (PS), atual presidente da autarquia, e Bernardo Reis (CDU).

O executivo municipal da Figueira da Foz é liderado pelo PS, com seis mandatos, contra três do PSD, sendo que o partido retirou a confiança política a dois dos seus vereadores.

As eleições autárquicas estão agendadas para 26 de setembro.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG