Rio foi o líder partidário que mais desceu na avaliação

António Costa também caiu, mas é o único com saldo positivo. Ventura é o mais criticado.

Rui Rio foi o líder partidário que mais perdeu este mês no barómetro da Aximage para o DN, JN e a TSF. Quando se pede uma avaliação aos portugueses, o líder do PSD tem agora um saldo negativo de 26 pontos (a diferença entre as notas positivas e as negativas). A queda do social-democrata entre abril e maio (16 pontos) supera inclusive a de António Costa (que caiu 12 pontos). Sendo que o socialista tem o conforto de ser o único líder partidário com saldo positivo.

Costa consegue uma percentagem de avaliações positivas acima da média entre os que residem na região de Lisboa (54%), entre as mulheres (mais sete pontos do que os homens) e entre os socialistas (87%). E este é o maior contraste com Rui Rio, que não convence nem os que votam no PSD: 35% dos eleitores sociais-democratas dão-lhe nota negativa e apenas 33% dão nota positiva.

A avaliação de Rio também é particularmente negativa entre o eleitorado mais à Direita (Iniciativa Liberal e Chega). O que pode ser também uma consequência da sua insistência em colocar o partido ideologicamente ao Centro, como voltou a fazer no chamado "congresso das direitas", que decorreu em maio passado.

Bloquista e liberal a subir

No barómetro deste mês há dois líderes que se destacam pela positiva: Catarina Martins e João Cotrim de Figueiredo conseguem equilibrar a sua avaliação e chegar a saldo zero. A bloquista ganha quatro pontos e o liberal sete, de abril para maio.

No fundo da tabela continua André Ventura, do Chega. A avaliação negativa de uma fatia considerável de portugueses já se tornou a norma. A rejeição do líder da direita radical é mais visível na Área Metropolitana do Porto (66%), nos que têm entre 50 e 64 anos (68%), nos que têm maiores rendimentos (70%) e no eleitorado bloquista (86%).

FICHA TÉCNICA

A sondagem foi realizada pela Aximage para o DN, JN e TSF, com o objetivo de avaliar a opinião dos portugueses sobre temas relacionados com atualidade política. O trabalho de campo decorreu entre os dias 26 e 30 de maio de 2021 e foram recolhidas 796 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal. Foi feita uma amostragem por quotas, com sexo, idade e região, a partir do universo conhecido, reequilibrada por sexo, idade, escolaridade e região. À amostra de 796 entrevistas corresponde um grau de confiança de 95% com uma margem de erro de 3,4%.

A responsabilidade do estudo é da Aximage Comunicação e Imagem, Lda., sob a direção técnica de José Almeida Ribeiro.

rafael@jn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG