PSD quer ministro coordenador de militares, polícias e Proteção Civil

O coordenador do Conselho Estratégico Nacional "laranja" respondia a jornalistas após apresentar, em Lisboa, as ideias de reforma do PSD para o setor, na sede nacional do partido.

O antigo governante e especialista social-democrata em questões de Defesa Nacional Ângelo Correia defendeu esta quinta-feira a designação de um "ministro de Estado coordenador" das Forças Armadas (FA), forças de segurança e Proteção Civil.

"A Defesa Nacional, no sentido amplo, é uma política de Estado ao mais alto nível, coordenada pelo primeiro-ministro. O ministro da Defesa Nacional, legalmente, só tem competências para dirigir as FA, não mais. Como é possível operar isto quando tem milhares de questões para resolver? Não é possível. A nossa ideia é simples: devia haver um ministro de Estado coordenador ou vice-primeiro-ministro que coordenasse as interações todas" entre "defesa militar, segurança interna e Proteção Civil", defendeu.

O coordenador do Conselho Estratégico Nacional "laranja" respondia a jornalistas após apresentar, em Lisboa, as ideias de reforma do PSD para o setor, na sede nacional do partido.

"Ou um ministro da Defesa Nacional, com a categoria de ministro de Estado", foi outra hipótese admitida pelo ex-titular da Administração Interna da Aliança Democrática (PPD, CDS e PPM), na década de 1980.

Para Ângelo Correia, "não há exercícios de poder bem pensados e estruturados em Portugal".

"Temos de viver e criar uma cultura para as FA, mais do que para os próprios ramos. Temos de começar a olhar para o todo nacional global. Não há aqui supremacias, há é uma necessidade de coordenação porque, se cada um anda para seu lado, todos os dias teremos conflitos. Em Portugal temos de ter estruturas onde haja um responsável", argumentou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG