PS critica o Governo por estar a "deitar foguetes"

O secretário nacional do PS, João Proença, considerou esta quarta-feira que a descida do desemprego no segundo trimestre do ano tem "muito pouco significado" e é "puramente conjuntural", uma vez que as taxas baixam sempre nos meses de verão.

A taxa de desemprego em Portugal foi de 16,4% no segundo trimestre, 1,3 pontos percentuais abaixo do trimestre anterior, mas mais 1,4 pontos percentuais do que no mesmo período de 2012, estimou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

João Proença criticou o Governo por estar a "deitar foguetes" após terem sido divulgados os dados do INE, já que o país está em recessão e o desemprego anual vai continuar a aumentar, calculou.

"Nós esperávamos era boas notícias do Governo. Dizer que estão a tomar medidas para combater o desemprego e nomeadamente o desemprego jovem", afirmou aos jornalistas em Portimão, à margem de uma iniciativa com a candidata socialista àquela autarquia.

De acordo com o ex-secretário geral da UGT, a descida nas taxas de desemprego significa que este ano a Páscoa "foi um pouco mais cedo", pois este ciclo repete-se todos os anos, com o desemprego a baixar nos meses de verão e a voltar a subir em setembro.

O secretário nacional socialistas sublinhou ainda ter aumentado o número de "desencorajados", isto é, pessoas que dizem que querem um emprego, mas que não o procuram porque acham que não conseguem encontrar colocação.

João Proença evidenciou também a diminuição "brutal" da população ativa, o que significa que os "portugueses emigraram para fugir ao desemprego.

O ministro com a tutela do Emprego, Pedro Mota Soares, afirmou hoje que a queda do desemprego é um sinal de esperança, mas pediu prudência na análise dos dados hoje divulgados.

"Como é óbvio, é melhor ter uma taxa de desemprego de 16,4% do que de 17,6%, mas o desemprego continua a ser, em Portugal, a maior fratura do ponto de vista social e continua a ser o fenómeno que mais preocupa o Governo, por causa da exclusão social", afirmou Pedro Mota Soares.

Segundo os resultados do Inquérito ao Emprego do INE, de abril a junho a população desempregada foi de 886 mil pessoas, o que representa um aumento homólogo de 7,1% e uma diminuição trimestral de 7,0% (mais 59,1 mil e menos 66,2 mil pessoas, respetivamente).

Já a população empregada foi de 4,5 milhões de pessoas, o que traduz uma diminuição homóloga de 3,9% e um aumento trimestral de 1,6% (menos 182,6 mil e mais 72,4 mil pessoas, respetivamente).

Mais Notícias