Portas quer travar "glorificação de José Sócrates"

O vice-primeiro-ministro e líder do CDS pede aos eleitores para que "pensem bem" se querem ver José Sócrates ser "levado em ombros" pelo PS. Diz que os socialistas "não fizeram revisão da matéria dada" e vão "repetir erros" de 2011

O vice-primeiro-ministro Paulo Portas apelou esta manhã aos eleitores para usarem "democraticamente o direito à indignação" contra a "glorificação de José Sócrates". Após uma visita à fábrica de bacalhau Rui Costa e Sousa & Irmão, Portas disse que esta "eleição fica um pouco marcada pelo factor Sócrates" e que o facto de o ex-líder do PS ter sido chamado a participar na campanha é sinal que socialistas "não fizeram a revisão da matéria dada",

O líder do CDS foi assim até à Gafanha da Nazaré para participar pela segunda vez na campanha, para pedir aos eleitores que "pensem bem" se querem ver José Sócrates, "o homem que chamou a 'troika', que assinou o memorando, que nos levou ao precipício financeiro e que nos custou toda esta austeridade (...) ser levado em ombros pelo PS". Para Portas a presença de José Sócrates na campanha socialista, deve levar os eleitores a exprimirem o "direito à indignação" através do voto. "Não fiquem em casa", apelou.

Paulo Portas, tal como já havia feito num comício no primeiro dia de campanha, alertou aos eleitores socialistas que o PS não fez "autocrítica", que garanta não irá "repetir os erros" de 2011.Para o líder do CDS "José Sócrates ao lado de António José Seguro significa que o PS em 2014 é igual ao de 2011", acusando os socialistas de não terem um "ato de humildade relativamente ao que aconteceu em 2011".

Mais Notícias