Portas pede a "amigos europeus" que aprovem extensão

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apelou hoje aos Estados-membros da União Europeia para quem deem o seu aval ao pedido português de extensão do prazo para pagar empréstimos, afirmando ser o "prémio" para Portugal recuperar autonomia.

Paulo Portas, que falava no Luxemburgo, no final de um encontro com o ministro dos Negócios Estrangeiros luxemburguês, pediu aos "amigos europeus" para que "olhem positivamente" para o pedido de extensão das maturidades dos empréstimos apresentado por Portugal há cerca de um mês, para que o país possa ter "condições mais favoráveis do ponto de vista da dívida" para terminar o seu programa e recuperar a sua autonomia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que a reunião com o seu homólogo luxemburguês, Jean Asselborn, "foi importante para passar a mensagem dos esforços extraordinários que Portugal e os portugueses têm feito para superar o seu problema de défice e dívida".

Paulo Portas salientou que Portugal é um país que "cumpriu", que está a apostar "na recuperação da confiança e da credibilidade" e que "todos sabem na União Europeia a enorme dignidade com que os portugueses têm ultrapassado esta fase difícil".

"Quem cumpre merece ser reconhecido por isso. Quem é cumpridor merece um prémio e esse é o prémio que permitirá que" a "Europa veja em Portugal um caso bem-sucedido" e que o país "possa reaver a sua autonomia e terminar o seu programa de assistência externa nos prazos previstos", defendeu o ministro.

Paulo Portas afirmou ainda ter a certeza que, da parte do Luxemburgo, "é reconhecido que Portugal, por ser um país que fez um grande esforço, que se aplicou a cumprir aquilo a que se tinha comprometido a fazer" e que está a atravessar "dificuldades que são sérias do ponto de vista social", há uma visão "muito positiva".

O pedido português de extensão do prazo para pagar os empréstimos estará em discussão na próxima reunião de ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo), agendada para 04 de março, em Bruxelas.

Questionado sobre se o Luxemburgo apoiaria um eventual pedido português de mais um ano para corrigir o défice, Jean Asselborn afirmou que "o Luxemburgo fará tudo para ajudar Portugal".

Na quarta-feira, o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, afirmou ser "razoável conjeturar que Bruxelas dê mais um ano a Portugal para corrigir o défice excessivo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português termina hoje uma visita oficial de dois dias ao Luxemburgo, a convite das autoridades locais.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG