PCP admite conversar sobre OE2022, mas avisa que "não assina de cruz"

O secretário-geral Jerónimo de Sousa respondeu à entrevista de António Costa ao DN/JN/TSF, admitindo que conversar "sem bota-abaixismos".

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, admitiu este sábado conversar "sem bota-abaixismos" com o Governo PS sobre o Orçamento do Estado de 2022, mas avisou o primeiro-ministro, António Costa, que o partido "não assina de cruz".

"O Governo e António Costa conhecem-nos. Nós não agimos por cálculos políticos, agimos em conformidade com a realidade, com os problemas", afirmou Jerónimo de Sousa, à margem da manifestação do Dia do Trabalhador, organizada pela CGTP, em Lisboa, num comentário à entrevista do primeiro-ministro ao DN, JN e TSF, na qual afastou o cenário de crise política no Orçamento.

Logo a seguir, Jerónimo de Sousa afirmou que, na resposta à crise pandémica, "o Governo ficou muito aquém do que anunciava" e até do que está previsto no Orçamento do Estado de 2021.

Se o executivo do PS, que depende de acordos com os restantes partidos para a aprovação do Orçamento no parlamento, quiser dar resposta "aos anseios" dos manifestantes neste 1.º de Maio, então os comunistas admitem conversar "sem bota-abaixismos".

"Procuraremos sempre que a vida fique melhor para quem trabalha, para quem tem uma pequena empresa", disse, afirmando também que o PCP "não assina de cruz" um documento, o Orçamento do Estado, que ainda não conhece. "Não peçam ao PCP que as coisas andem para trás", disse ainda.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG