Patrões criticam Governo por não discutir proposta de lei

A proposta de lei relativa à sustentabilidade do sistema de pensões e o aumento do IVA. segundo afirmaram ,esta sexta-feira, as confederações patronais, deveriam ter sido alvo de " um amplo debate"por parte do Governo.

As críticas começaram com a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a primeira a ser ouvida na Comissão de Orçamento e Finanças, com Gregório Rocha Novo a considerar que as matérias "não tiveram o tratamento que deveriam ter em sede de Concertação Social".

De acordo com o responsável, que reconhece a necessidade de serem adotadas medidas, o Governo discutiu apenas com os parceiros o tema da atualização das pensões, mas ainda assim, "sem o tratamento desenvolvido que deveria ter".

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, afirmou, na mesma linha, que estas medidas "vão contra tudo aquilo" que esperavam.

"Estamos preocupados e até um pouco frustrados que estes temas sejam tratados na Concertação Social por grupos de trabalho que tratam os assuntos de forma intermitente, tipo semáforo", lamentou.

O presidente da confederação da agricultura (CAP), João Machado, e a presidente da comissão executiva da confederação do turismo (CTP), Adília Lisboa, concordaram com os restantes parceiros, embora sublinhem que compreendem a urgência de encontrar "medidas substitutivas".

João Machado, por seu turno, disse que esperava o abaixamento do IVA e não o seu aumento, manifestando a sua preocupação com o facto de Espanha ter já decidido reduzir o IVA no próximo ano.

"Gostaríamos muito de ver reformas estruturais e discutir a questão da saúde, sustentabilidade da Segurança Social e educação. Não nos parece que devam continuar os cortes cegos, horizontais. Precisamos de uma discussão séria sobre este tema", disse.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG