Líder do CDS-PP confirma voto contra proposta do Governo e admite adiar congresso

"A proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo para 2022 confirma, insiste e persiste no caminho de empobrecimento que a esquerda quer condenar Portugal", criticou Francisco Rodrigues dos Santos.

O presidente do CDS-PP anunciou hoje que o partido vai votar contra o Orçamento do Estado para o próximo ano (OE2022) na generalidade, considerando que a proposta "confirma, insiste e persiste no caminho de empobrecimento" do país.

Em conferência de imprensa na sede nacional do partido, em Lisboa, Francisco Rodrigues dos Santos confirmou a previsão de sentido de voto transmitida na terça-feira pela deputada Cecília Meireles.

Apontando que "os portugueses têm de saber que há alternativa ao caminho seguido pela esquerda", o líder centrista afirmou que, "em nome dessa alternativa, que o CDS-PP votará contra este orçamento, que é uma autêntica bazuca de impostos sobre os portugueses".

"A proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo para 2022 confirma, insiste e persiste no caminho de empobrecimento que a esquerda quer condenar Portugal", criticou.

Líder do CDS admite adiamento do congresso em caso de crise política

O presidente do CDS-PP admitiu ainda esta quinta-feira que o congresso do partido possa ser adiado caso o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) seja chumbado, mas considerou "uma encenação política" as ameaças da esquerda de voto contra.

"O CDS tem órgãos próprios que têm competências para avaliar a dinâmica do próprio calendário político, e se isso vier a acontecer é uma discussão que estará em aberto certamente no nosso partido", afirmou Francisco Rodrigues dos Santos em conferência de imprensa na sede nacional do CDS-PP, em Lisboa.

O líder centrista justificou que "nenhum português compreenderia" que "um partido estruturante da democracia e fundamental para uma alternativa política no centro-direita estivesse preocupado em eleições internas quando há eleições gerais no país".

No entanto, considerou que essa discussão é "demasiado precoce" e que não se pode "fazer fé nas alegações da esquerda porque elas no passado constituíram sempre uma encenação política para alavancar as suas exigências junto do PS e tornarem o Orçamento do Estado ainda pior do que ele já é".

"Não há razões para crer, atendendo ao histórico, que o orçamento não será aprovado. No entanto, a realidade política é dinâmica, não é estática, e o nosso partido saberá interpretar o resultado das votações", afirmou.

O 29.º Congresso do CDS-PP está agendado para os dias 27 e 28 de novembro.

O primeiro processo de debate parlamentar do OE2022 decorre entre 22 e 27 de outubro, dia em que será feita a votação, na generalidade. A votação final global está agendada para 25 de novembro, na Assembleia da República, em Lisboa.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG