Marcelo: estado de emergência acaba mas "se necessário for" voltará

Presidente da República anunciou esta terça-feira que o país sai do mais grave estado de exceção em que está e agradeceu o "sacrifício" dos portugueses.

Portugal sai do estado de emergência mas com muitos avisos de cautela do Presidente da República. É o que se retira da curta declaração ao país de Marcelo Rebelo de Sousa, transmitida a partir dos Palácio de Belém às 20 horas.

Após declarar ter decidido "não renovar o estado de emergência", Marcelo passou aos alertas: "Não estamos ainda numa era livre de perigo, livre de covid, e enfrentamos ainda ameaças", disse.

"Sem estado de emergência, há que adotar todas as medidas consideradas indispensáveis para evitar retrocessos".

"É preciso uma preocupação preventiva de todos nós", fez questão de acrescentar. ""Podemos infetar os nossos contactos e permitir que a doença continue a transmitir-se. Enfrentamos o risco de novas variantes menos controláveis pela vacina".

Por isso, deixou o claro aviso: "Se necessário for, não hesitarei em avançar com um novo estado de emergência".

Quanto ao fim deste longo período de exceção em que manteve o país, um Estado de Emergência renovado 15 vezes, que terminará às 23.59 horas de sexta-feira, 30 de abril, Marcelo reconheceu "o disciplinado sacrifício dos portugueses que, desde novembro e mais intensamente desde janeiro" se têm mantido confinados.

E realçou que este momento representa uma "esperança mobilizadora do que nos espera a todos, na vida, na saúde e na economia".

​​​​​Justificou a decisão agora tomada pela "estabilização e até a descida do número médio de mortes e do número de internados em enfermaria e cuidados intensivos, assim como a redução do R(t) e a estabilização do número de infetados".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG