Jerónimo fora da campanha. "Pode acelerar mudança no PCP"

Líder comunista vai ser submetido a uma intervenção "urgente" e quem o substitui na campanha eleitoral e no último debate com Rui ​​​​​​​Rio serão João Oliveira e João Ferreira.

A CDU vai andar pelo menos dez dias na rua em campanha eleitoral sem o seu rosto mais emblemático. O líder do PCP vai ser internado hoje e operado de "urgência" na quinta-feira e fica arredado das lides eleitorais. E são dois os destacados militantes do partido que vão fazer a vez de Jerónimo de Sousa, no caso João Ferreira, vereador na Câmara de Lisboa, e João Oliveira, líder parlamentar comunista, que vai mesmo enfrentar Rui Rio em debate televisivo na SIC nesta noite.

Mas a inesperada ausência de Jerónimo na campanha da coligação, que agrega os Verdes, terá um grande impacto na dinâmica da campanha e no resultado eleitoral? O politólogo André Freire admite que a "figura carismática" do líder comunista, que "funciona como cimento para as diferentes sensibilidades dentro do partido", fará a sua diferença. Mas entende que não será determinante para o resultado eleitoral da CDU. "O PCP é um partido com uma lógica coletivista, que se diz menos personalista, e que tem uma base eleitoral e não será por isso que deixará de se afirmar nas eleições."

André Freire admite, no entanto que o estado de saúde de Jerónimo de Sousa, com 74 anos, pode ter influência na vida interna do partido. "Pode acelerar a mudança de liderança no PCP."

De viva voz, Jerónimo de Sousa rejeitou aos jornalistas que a sua ausência possa afetar os resultados eleitorais e manifestou-se convicto de que "tenho forças para corresponder aos anseios do meu partido". E limitou-se a dizer que a escolha de João Ferreira e João Oliveira se deveu ao facto de serem dirigentes do partido e candidatos às legislativas. "É um contributo de dois dirigentes do partido", disse.

O secretário-geral do PCP vai ser operado a uma estenose da carótida - depois de ter tido um acidente vascular cerebral (AVC) ligeiro, devido a aperto na artéria que leva o sangue do coração ao cérebro, segundo o Expresso - que consiste em desobstruir essa artéria.

Segundo um comunicado divulgado pelo partido, "no seguimento de exames médicos e de uma avaliação clínica multidisciplinar foi apurada a necessidade de Jerónimo de Sousa ser submetido a uma intervenção cirúrgica urgente da estenose carotídea (à carótida interna esquerda), que não pode ser adiada para depois das eleições".

O PCP indicou que o seu líder vai ser internado nesta quarta-feira e prevê que "retome no final da próxima semana a sua intervenção política, nomeadamente na campanha eleitoral em curso para a Assembleia da República". Ontem, Jerónimo ainda esteve presente no encontro com elementos das organizações representativas dos trabalhadores, em Matosinhos, onde voltou a defender as 35 horas de trabalho e falou da sua saúde. "Era impossível aguentar até ao fim da campanha eleitoral", admitiu, acrescentando: "Aqui estou. Pronto para travar o combate. Naturalmente com esta dificuldade, mas penso que, com arte e sorte do cirurgião, é possível que daqui a uma semana, ou um bocadinho mais para a frente, esteja outra vez na estrada", disse na sua última ação de campanha.

Até ao seu regresso, João Ferreira e João Oliveira, ambos membros da Comissão Política do Comité Central do PCP, vão substituí-lo no terreno e nas ações de campanha para as legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

O Presidente da República falou por telefone com Jerónimo após saber que este será submetido a uma intervenção cirúrgica urgente e desejou-lhe uma rápida recuperação. "Desejando que tudo corra bem e que possa ter uma rápida e boa recuperação, regressando logo que possível à sua importante atividade política e partidária", lê-se numa nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na internet.

"Queria desejar as melhoras e uma pronta recuperação a Jerónimo de Sousa. Obviamente é um momento triste para a campanha eleitoral quando um líder de um partido importante como o PCP por razões de saúde está impedido de prosseguir a campanha", referiu o primeiro-ministro, António Costa, à margem de uma iniciativa com a confederação do turismo.

O chefe do governo enviou uma mensagem ao secretário-geral do PCP e aproveitou para enviar "um abraço" a Jerónimo de Sousa, desejando-lhe uma rápida recuperação "Que possamos voltar a contar rapidamente com a sua colaboração ativa, a sua energia para a vida política nacional", disse aos jornalistas.

Também a coordenadora do BE, Catarina Martins, desejou uma "rápida recuperação" ao líder do PCP. "Desejo uma rápida recuperação a Jerónimo de Sousa. Espero vê-lo em breve na campanha", escreveu Catarina Martins na sua página oficial da rede social Twitter. com Lusa

paulasa@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG