Jerónimo de Sousa: "A camarada devia dizer: vão para a esquerda"

Recebido por muitos populares em terra insuspeita de ser comunista, Jerónimo garantiu que o governo sabe bem a política de empobrecimento que anda a fazer.

som do Ave Maria tocado ontem pelos sinos do Centro Paroquial de Moscavide, quando Jerónimo de Sousa cumprimentava idosos que dali assistiam à passagem da comitiva da CDU, não passou despercebido a duas idosas: "É para o abençoar."

Isso ver-se-á na noite do próximo domingo, quando forem conhecidos os resultados eleitorais. Para já, o líder comunista continua a mostrar sentido de humor, desde logo na forma como iniciou a sua intervenção perante dezenas de reformados, pensionistas e alguns jovens. Tendo ouvido a apresentadora aconselhar os presentes a irem "para a [sua] direita", a fim de deixarem a rua livre para o trânsito, Jerónimo corrigiu, sorridente: "A camarada devia virar-se de costas e dizer: vão para a esquerda."

Mais a sério, sem esconder a satisfação de ver como tantos populares se lhe tinham dirigido numa terra "insuspeita de ser comunista", Jerónimo de Sousa deixou uma garantia: "Este governo, ao contrário do que muitos afirmam, que é incompetente, não é. Sabe bem o que está a fazer. Faz esta política por opção própria, de empobrecimento e de exploração de quem trabalha ou quem trabalhou."

Para quê? "Isto tem um objetivo central: transferir os rendimentos dos trabalhadores, dos reformados, dos pequenos e médios empresários para o grande capital que, ultimamente - particularmente aquelas empresas do PSI 20 -, arrecadaram dezenas de milhares de milhões de euros à custa dessa transferência, dessa política que apoia, que abençoa, que protege esses senhores do capital", explicou o secretário-geral do PCP.

Acompanhado, entre outros, do antigo líder parlamentar comunista e atual presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares, Jerónimo lançou uma exortação: "É preciso acabar com isto, é preciso derrotá-los!" Vários minutos antes, a meio da rua onde iniciara a arruada matinal, a comitiva da CDU passara ao largo de uma idosa vestida de negro que, indignada, dizia querer "a esquerda toda unida para derrotar o Passos". Com os repórteres a ouvir e registar a exigência daquela eleitora, a comitiva comunista passou ao largo e optou por parar junto a uma avó, 62 anos, ao pé de um carro de bebé com o neto a dormitar.

Tendo oportunidade de falar diretamente com um atento Jerónimo de Sousa, a senhora usou um tom baixo: "O meu avô esteve preso 12 anos e disse-me na cara, a chorar, quando foi o 25 de Abril: neta, a partir de hoje vais ter um futuro melhor do que o meu. Pergunto: que vai ser do futuro do meu neto?"

Jerónimo respondeu: "Se for a olhar para hoje é preocupante", mas importa "ter esperança de que é possível" - votando na CDU, gritavam os militantes a agitar as bandeiras da coligação - acreditar na mudança e em criar as condições para um futuro "sempre em torno dos valores de Abril."

Pelo meio, aos jornalistas que o questionaram sobre o crescimento do BE nas sondagens e o posicionamento do CDS depois de conhecidos os resultados eleitorais, Jerónimo de Sousa lançou umas farpas ao CDS e ao Bloco. Começando a resposta com um "ah! ah! ah!", o líder comunista acrescentou: "Esta vantagem de andar aqui há muitos anos dá-nos uma tranquilidade imensa, até porque o Bloco não é propriamente o nosso adversário. Aquilo que as sondagens no terreno nos dizem é que a CDU está a crescer e a crescer bem e que vamos ter uma grande votação."

"O BE anda na própria pista, desejo-lhe muita saúde, mas não é preocupação minha", adiantou Jerónimo, para se focar depois no CDS. "A história demonstra" que o partido de Paulo Portas "está sempre pronto para tudo", pois "seja com este ou com aquele, desde que esteja no poder, está sempre disponível" para alianças, enfatizou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG