"Há convergência em muitas áreas" com parceiros sociais

O Partido Socialista (PS), que hoje recebeu alguns parceiros sociais, considera que "há convergência em muitas áreas" e insiste na necessidade de Portugal ter "mais tempo para a consolidação orçamental".

O secretário-geral do PS iniciou hoje uma ronda de dois dias com os parceiros sociais e, no final das reuniões, Miguel Laranjeiro, do secretariado nacional, disse aos jornalistas que "há convergência" nomeadamente na "necessidade de financiamento das empresas e de haver uma agenda para o crescimento e para o emprego".

Interrogado sobre como gere as discussões com a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), que exige a renegociação da dívida, Miguel Laranjeiro afastou a existência de divergências e defendeu que o país precisa de "mais tempo", sem, no entanto, proferir a palavra "renegociação".

"Nós queremos pagar as dívidas, queremos é um caminho diferente: mais tempo, menos juros e uma aposta na economia nacional. Só com economia, só com empresas que pagam impostos e só com trabalhadores que também pagam impostos é que é possível gerar riqueza suficiente para pagar as dívidas que temos", defendeu o dirigente socialista.

Miguel Laranjeiro disse ainda que "não faz sentido apoiar só as empresas exportadoras" quando "mais de 90% da economia nacional passa pelo mercado interno, pelas pequenas e médias empresas".

Em relação às perspetivas do PS para a sétima avaliação da 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), Miguel Laranjeiro não quis fazer previsões.

"Não é uma questão de fé, é uma questão objetiva. Gostaríamos que houvesse uma interpretação diferente, é essa a luta e é esse o desafio, mas, relativamente àquilo que poderão trazer de novo é uma questão [em relação à qual] teremos de esperar", disse.

António José Seguro iniciou hoje uma ronda de reuniões com os parceiros sociais, no dia em que chega a Portugal uma missão da 'troika' para discutir com o Governo a sétima revisão do programa de assistência financeira.

O secretário-geral do PS recebeu hoje a Confederação do Turismo Português (CTP), a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) e a Confederação dos Agricultores (CAP).

Para terça-feira estão agendadas reuniões com a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), com a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e com a União Geral de Trabalhadores (UGT).

Mais Notícias