Financiamento nos mercados essencial para a soberania

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Portas, defendeu hoje em Caracas que Portugal está a criar condições de credibilidade para se poder financiar autonomamente nos mercados e "recuperar soberania" do ponto de vista internacional.

Portas encontra-se em Caracas para uma visita de dois dias, por ocasião da oitava reunião da Comissão Mista de Acompanhamento Bilateral Portugal/Venezuela, que decorre hoje na capital venezuelana.

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros referiu como "muito importante para a projeção internacional de Portugal" o facto de o país se ter conseguido "financiar autonomamente nos mercados, no início deste ano a médio prazo e há menos de um mês a longo prazo".

"Nós tivemos que pedir assistência externa porque não conseguíamos financiamento. Se conseguirmos colocar a nossa dívida, vamos conseguindo recuperar a nossa soberania. Eu acho que esse facto, do ponto de vista internacional, é o mais importante de todos", adiantou.

Portas afirmou que Portugal está a conseguir, "passo a passo, ter condições de confiança e credibilidade para poder se financiar autonomamente".

"A ausência disso foi o que nos levou em 2011, enquanto país, a pedir assistência externa", disse.

Portas destacou a relação "bastante positiva e amiga" com o Governo venezuelano e defendeu a abertura de "novas alamedas" de cooperação económica entre os dois países.

A delegação ministerial portuguesa integra "mais de 40 empresários" de setores como habitação infraestruturas eletricidade, energias alternativas, saúde e agroalimentar, entre outros.

"Vamos constituir um conjunto de mesas temáticas entre empresas portuguesas e venezuelanas, vamos ver se podemos resolver algumas questões pendentes, se podemos avançar nalgum conjunto de contratos, abrir novas áreas de cooperação", disse o ministro.

A Comissão Mista Portugal/Venezuela esteve prevista para o início do ano, mas a morte do ex-presidente Hugo Chávez e a realização de eleições obrigaram ao adiamento do encontro.

A reunião, que tem início hoje em Caracas será encerrada em Lisboa "dentro de umas semanas".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG