Exclusão do líder distrital das listas à câmara de Lisboa deixa CDS em pé de guerra 

"Saneamento partidário", "vingança cobarde". As críticas à não inclusão do atual vereador João Gonçalves Pereira nas listas a Lisboa têm sido torrenciais e violentas. O grande embate fica para o pós-autárquicas.

A não inclusão de João Gonçalves Pereira nas listas à Câmara de Lisboa, nas próximas autárquicas, volta a deixar exposta a fratura entre a direção do CDS e algumas das principais figuras do partido. Gonçalves Pereira reagiu ontem pela primeira vez à decisão e, se o tom já foi de crítica, o ajuste de contas ficou para o pós-eleições - o dia a seguir às autárquicas promete ser quente no Largo do Caldas.

Num texto publicado no Facebook, o líder da distrital de Lisboa dos centristas, e vereador no executivo camarário, diz ter "tido conhecimento apenas pela imprensa das decisões da direção do CDS sobre Lisboa". Fazendo questão de sublinhar que não será recandidato "por opção exclusiva da atual direção", Gonçalves Pereira escreve que este é o "tempo do apoio e da campanha". Mas outro tempo virá: "Sobre as consequências das suas ações [da direção do partido], falarei publicamente somente após as eleições locais". E "preferencialmente, em congresso", remata. Contactado pelo DN, João Gonçalves Pereira escusou-se a mais comentários.

O vereador em Lisboa, número dois de Assunção Cristas nas autárquicas de 2017 (e coordenador da campanha autárquica da então líder do CDS) tem sido um crítico destacado da direção liderada por Francisco Rodrigues dos Santos. Apoiou Adolfo Mesquita Nunes quando este desafiou o líder do partido a disputar a liderança em congresso, em janeiro deste ano. E admitiu avançar ele próprio caso não houvesse oponente ao líder no cenário de um congresso antecipado. Tem sido também um crítico do processo autárquico em Lisboa, defendendo que a liderança da coligação deveria pertencer ao CDS, que saiu das últimas autárquicas com quatro vereadores em Lisboa, quando o PSD tem dois. Em março, o líder da distrital foi aprovado pela concelhia como candidato autárquico.

Precisamente por este historial, a não inclusão de Gonçalves Pereira nas listas da coligação liderada por Carlos Moedas - pelo CDS, Filipe Anacoreta Correia vai a número dois e o deputado municipal Diogo Moura em quinto - está a ser vista pelos críticos como um ajuste de contas, um "saneamento". Desde quarta-feira, quando foi tornada pública a lista dos candidatos centristas, as críticas têm sido torrenciais. João Almeida, deputado que disputou a liderança no último congresso, chamou-lhe um a "vingança cobarde", criticando a "inenarrável escolha" de Filipe Anacoreta Correia para o lugar. "O saneamento partidário do melhor vereador da Câmara de Lisboa prejudica gravemente o CDS e fere a candidatura que o CDS integra. O João Gonçalves Pereira não merecia esta vingança cobarde. O Carlos Moedas, que prezo e é um ótimo candidato, também não merecia este péssimo serviço prestado pelo CDS", escreveu no Facebook.

Adolfo Mesquita Nunes também não poupou nas palavras de condenação. "O Carlos Moedas, que é um excelente candidato, merecia mais: merecia que o CDS não tivesse saneado alguns dos seus melhores, dos que mais conhecem o terreno, dos que mais trabalharam por Lisboa. E o CDS Lisboa, que todos os dias de há muitos anos para cá vai construindo alternativa e partido, merecia mais consideração e respeito", escreveu, também nas redes sociais.

Outro nome que já se pronunciou foi Pedro Mota Soares, que defendeu que a lista da coligação fica "mais pobre" com uma decisão que "não reconhece o mérito, a sensibilidade social, a capacidade de trabalho e o conhecimento dos temas de alguém que já deu e quer continuar a dar o melhor de si à sua cidade". Na última terça-feira, em reunião da Comissão Política do partido, Nuno Melo também já tinha falado em "saneamento" .

Ao DN, Filipe Anacoreta Correia, presidente do Conselho Nacional do partido, que ocupará o segundo lugar na lista da coligação liderada por Carlos Moedas, não quis comentar as críticas, afirmando que "O foco e o empenho é na candidatura do engenheiro Carlos Moedas". "É uma candidatura forte que queremos que ganhe Lisboa. Tudo o resto são distrações".

Na direção, a não inclusão de Gonçalves Pereira nas listas é justificada com a necessidade de renovação. Um dirigente do partido lembra que nas listas da coligação, quer entre os nomes do PSD, quer nos do CDS, ninguém transita da atual vereação. "As pessoas não têm direito aos lugares, não se podem instalar neles, é legítimo que se queira fazer uma renovação", argumenta a mesma fonte.

Com o congresso ordinário marcado para o início de 2022, a incógnita está em saber se o conclave mantém a data prevista, ou se será antecipado. Sobre o que não sobram dúvidas é que Rodrigues dos Santos terá pela frente um candidato da "ala crítica", previsivelmente Nuno Melo. O eurodeputado já admitiu avançar na corrida e não lhe faltarão apoios dos críticos. Esta quinta-feira, Nuno Magalhães, antigo líder parlamentar, que tem mantido o silêncio desde que deixou a bancada, veio também criticar a direção, depois de ter sido visado na reunião da Comissão Política. "Um partido que usa órgãos internos para insultar ex-dirigentes dificilmente terá futuro", disse ao jornal online Observador. E disse mais: "Nuno Melo dará um bom presidente do partido caso queira e caso os militantes o desejem".

susete.francisco@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG