"Espero que limpem o disparate que fizeram"

O deputado centrista apontou este sábado o dedo ao Governo PSD/CDS pela extinção do feriado de 1 de Dezembro, que assinala a Restauração da Independência do País.

José Ribeiro e Castro, antigo presidente dos democratas cristãos, criticou duramente o Executivo liderado por Pedro Passos Coelho pela extinção do feriado de 1 de Dezembro, uma vez que o considera um símbolo de um Portugal "liberto, senhor de si mesmo, de punho forte e de cabeça erguida".

"Espero que o PSD e o CDS limpem o disparate que fizeram", afirmou Ribeiro e Castro aos jornalistas presentes nas comemorações oficiais da efeméride, que decorreu na Praça dos Restauradores, em Lisboa.

Polémica foi também a declaração do destacado dirigente dos centristas, que coordena o Movimento 1.º de Dezembro, na qual admitiu não ter "a mínima dúvida" de que o feriado regressará assim que o Partido Socialista "volte a ser Governo".

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, atirou também farpas ao Executivo, por considerar que o feriado é "património de Portugal e dos portugueses".

"A ninguém é moralmente permitido dispor dele com ligeireza, mesmo que o faça invocando o nome do Estado", sublinhou o autarca no discurso que encerrou a cerimónia.

À hora da cerimónia oficial decorreu também uma manifestação levada a cabo pelo Partido Nacional Renovador (PNR), que, de acordo com o seu presidente, José Pinto Coelho, visava "homenagear os heróis da Restauração" e "protestar contra a traição dos governantes" do PS, PSD e CDS, que "têm alternado no poder" e que estão a "esmagar o povo português".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG