Chega pede reunião a Rui Rio para analisar cenários de maioria de direita

"Podemos perfeitamente fazer isto, sem que os eleitorados de ambos os partidos fiquem melindrados", referiu André Ventura em Viseu

O líder do Chega, André Ventura, disse esta segunda-feira que vai pedir uma reunião ao presidente do PSD, Rui Rio, para "analisar os cenários prováveis de uma construção de uma maioria de direita" que tire o PS do poder.

"Temos de nos sentar, ver o que os dois partidos podem fazer pela construção de uma maioria de direita", defendeu André Ventura em Viseu, onde esta segundafeira apresentou o primeiro grupo de candidatos do distrito às eleições autárquicas.

O deputado único do Chega aludiu a sondagens que indicam que o seu partido e o PSD "são os dois principais partidos à direita" e, neste âmbito, devem "começar já a trabalhar" para serem uma alternativa de Governo, "sem que haja nenhuma confusão de eleitorados".

"Podemos perfeitamente fazer isto, sem que os eleitorados de ambos os partidos fiquem melindrados, assim o PSD perceba se quer ser Governo ou se quer ser só um partido para andar ali nos 21%, 22% a protestar e a não querer ser mais nada", referiu, garantindo que o Chega está a trabalhar para ser Governo.

O presidente do partido de extrema-direita parlamentar referiu que "o PSD está em mínimos históricos" e que "desde as legislativas que não tinha valores tão baixos".

Segundo André Ventura, ainda que algumas sondagens possam ser enviesadas, a verdade é que "não há uma que dê um crescimento sustentado do PSD".

"Por eu não ficar contente com o crescimento único do Chega, vou pedir ao doutor Rui Rio uma reunião para que nos possamos sentar e analisar os cenários prováveis de uma construção de maioria de direita, porque o outro cenário que estamos todos a perceber é do PS perpetuar-se no poder, que é o que está a acontecer", avisou.

No que respeita às eleições autárquicas, o presidente do Chega disse que o objetivo político "é impedir que o PS continue a ser o partido com o maior número de câmaras e permitir que Chega e PSD juntos tenham um maior número" de autarquias em Portugal.

"Isto será um sinal não só para o país, mas para o próprio PSD, para perceber que não governará sem o Chega nas próximas eleições legislativas", realçou.

O Chega decidiu concorrer às autárquicas sem coligações, "exceto nos Açores em que a situação ainda está em análise", e, no pós-eleições, "apenas e tão só quando for fundamental, para afastar o PS do arco da governação autárquica e para criar maiorias à direita".

"As autárquicas vão permitir-nos ter um barómetro do país em relação à implementação do Chega e, por isso, decidimos arriscar. Vamos fazer o que outros não vão fazer. Vamos arriscar e pode correr bem e pode correr mal", acrescentou.

No distrito de Viseu, apresentou esta segunda-feira os candidatos às Câmaras de Viseu (Pedro Calheiros), do Sátão (Carlos Alberto Miguel), de Lamego (Maria Vale), de Mangualde (António Silva) e de Castro Daire (Manuel José Pertancho).

No seu entender, o distrito de Viseu é fundamental: "é um eleitorado de direita, conservador e onde, em termos até sociais, somos sempre muito bem recebidos, onde há dinâmicas políticas que são essencialmente ligadas à área do centro de direita e, portanto, é o nosso eleitorado natural".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG