CDS defende que Cabrita deve demitir-se caso se apure excesso de velocidade

Para o líder centrista, "se a viatura do ministro Eduardo Cabrita viajava em excesso de velocidade, tendo provocado uma morte, o senhor ministro não tem condições políticas para se manter nem mais um segundo nas suas funções".

O presidente do CDS-PP defendeu esta segunda-feira que o ministro da Administração Interna deve demitir-se caso se apure que o carro do ministro da Administração Interna circulava em excesso de velocidade na altura do acidente que vitimou uma pessoa.

"O que eu neste momento reclamo é que sejam tornadas públicas as circunstâncias deste acidente", defendeu Francisco Rodrigues dos Santos em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa.

Apontando que o ministro da Administração Interna "é responsável por garantir que são cumpridas as regras do Código da Estrada", o líder centrista questionou se o governante "está em condições de garantir que a viatura em que viajava circulava a menos de 120 quilómetros por hora, e por isso respeitava todas as regras do Código da Estrada".

"A verdade é só uma, se a viatura do ministro Eduardo Cabrita viajava em excesso de velocidade, tendo provocado uma morte, o senhor ministro não tem condições políticas para se manter nem mais um segundo nas suas funções", defendeu Francisco Rodrigues dos Santos, considerando que a sua posição fica "muito fragilizada".

O acidente em que morreu atropelado um trabalhador que fazia a manutenção da via na autoestrada A6, no Alentejo, pelo carro que transportava o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, ocorreu no dia 18 deste mês.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG