Aprovado voto de pesar pelas vítimas do Holocausto

A Assembleia da República aprovou hoje por unanimidade um voto de pesar em memória das vítimas do Holocausto e pela "tarefa sempre inacabável de impedir" que a história deste acontecimento seja "deturpada, silenciada ou suprimida".

Antes de ler o voto apresentado por si própria no plenário, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, agradeceu aos embaixadores e aos representantes da Comunidade Israelita de Lisboa, das confissões religiosas, da comunidade cigana e da fundação Aristides de Sousa Mendes presentes nas galerias.

Também o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, e a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares, Teresa Morais, estiveram presentes durante a leitura e votação desta iniciativa da presidente da Assembleia da República, a seguir à qual se seguiu um minuto de silêncio.

Assunção Esteves apontou o Holocausto como um "eclipse mortal da razão, do coração e de todos os valores que dão sentido à existência histórica" do ser humano.

Na sua intervenção, Assunção Esteves referiu que o Parlamento português se associa "não só à homenagem das vítimas, mas à tarefa sempre inacabável de impedir que a sua voz" possa ser "deturpada, silenciada ou mesmo suprimida".

A presidente da Assembleia da República lembrou que a 27 de janeiro de 1945, a revelação dos campos de extermínio nazi em Auschwitz-Birkenau permitiu "a tomada de consciência do mundo" para "um espetáculo de destruição".

Assunção Esteves afirmou que à "aniquilação sistemática por métodos industriais" arquitetada por "um grupo de altos funcionários de Hitler", que conduziu à morte milhões de pessoas, se sobrepôs "a revelação e a vitória da verdade, mesmo mais horrível e brutal, sobre a mentira, a distorção e o engano".

"Homenageamos a força moral e a coragem física dos que arriscaram a vida contra esse hediondo crime contra a condição humana", acrescentou a presidente do Parlamento, a segunda figura do Estado português.

Na sua intervenção, Assunção Esteves citou a filósofa alemã Hannah Arendt para dizer que acima da "verdade racional" deve estar a "verdade factual" e lembrou os "milhões de judeus" e de pessoas de minorias étnicas que foram mortas, enaltecendo o papel de "heróis e justos" como Aristides de Sousa Mendes, "por se terem colocado no lugar do outro, como se esse fosse o seu lugar".

Mais Notícias