Afluência às urnas na Mouraria abaixo de 33%

Filas para votar cresceram após a hora de almoço. No Martim Moniz, onde o primeiro inscrito se chama Abdul e o último Vítro, muitas pessoas perguntavam o que se estava ali a passar.

"Sabe dizer-me para que é que são estas eleições?", questionava este domingo um popular ao ver pessoas a dirigirem-se para as mesas de voto para as eleições primárias do PS, instaladas no Centro Comercial da Mouraria.

A pergunta é, de resto, sintomática da reduzida perceção daqueles que passavam por aquela zona da baixa de Lisboa, sendo que muitos referiram mesmo ao DN não saber o que se estava ali a passar.

De Abdul (na mesa um) a Vítor (na mesa três), estavam em condições de decidir por António José Seguro ou António Costa 2420 militantes e simpatizantes das freguesias de Santa Maria Maior, São Vicente e Arroios. Porém, por volta das 15.00, Sérgio Sintra, membro do Secretariado da Secção Limoeiro-Almirante Reis, dizia ao DN que "cerca de 700 pessoas" já tinham exercido o seu direito de voto. Ou seja, menos de um terço dos inscritos.

"As filas estão agora a crescer", notou, contudo, o dirigente 'rosa', que identificou dois problemas na primeira vez que o partido decide um candidato pela via de primárias abertas. "Algumas pessoas que se inscreveram na internet, trouxeram o comprovativo, mas, por uma ou por outra razão, não constam dos cadernos", referiu Sérgio Sintra, que disse ainda que a situação era resolvida com o envio de toda a documentação da pessoa - que não deixaria de votar - para a comissão eleitoral, que verificaria a validade da inscrição.

E houve também, segundo o dirigente, "quem achasse que poderia votar sem cartão de cidadão ou bilhete de identidade". Quanto a isso, nada a fazer.

Já quanto à corrida entre Seguro e Costa, pouca gente estava disposta a falar. Uma das exceções foi Maria Albina. Eleitora "desde sempre" do PS, revelou a preferência: "Votei Seguro. Gosto muito do Seguro, gosto muito de o ouvir falar, daquilo que diz na televisão. É seguro e simpático", afirmou entre sorrisos.

António Monteiro, de 79 anos, pende para o presidente da Câmara de Lisboa. "António Costa tem muito currículo e muita experiência. E é mais forte para ganhar ao Passos Coelho", sustentou.

Já quanto à indiferença e falta de informação que muitos dos que por ali passavam foram manifestando, Sérgio Sintra admitiu essa possibilidade, mas destacou que ambos os candidatos a candidato do PS a primeiro-ministro "tudo fizeram para divulgar e explicar ao máximo" todo o processo. As urnas, essas, fecham às 19.00.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG