4 votos de diferença obrigam a verificação em Monção

Um dia depois de encerradas as urnas, nenhum candidato à Câmara de Monção reclamou ainda vitória devido aos quatro votos que separam PS e PSD, aguardando-se a verificação da votação, esta terça-feira.

"Oficiosamente estamos à frente, com quatro votos, e penso que a tendência, com a verificação dos votos, nomeadamente dos nulos, será de aumentar a distância. Mas vamos aguardar com calma, sem precipitação, não vá o diabo tecê-las", disse à Lusa Augusto Domingues, candidato do PS.

De acordo com os dados da Direção Geral de Administração Interna, a lista do PS, liderada pelo atual vice-presidente da Câmara, venceu as eleições em Monção com 37,96% da votação (4.743 votos), contra os 37,92% (4.739 votos) da lista do PSD.

No entanto, ninguém fez a festa até ao momento, com os candidatos do PS e PSD a aguardarem pela realização da assembleia de apuramento geral que em Monção - como em todas as autarquias nacionais -, deverá realizar-se a partir das 09:00 de terça-feira.

Até ao momento, nenhuma das candidaturas pediu igualmente a recontagem dos votos, pelo que na terça-feira terá lugar apenas a verificação dos votos, nomeadamente das dúvidas em relação aos que foram declarados nulos.

O candidato do PSD, que se estreou em autárquicas em 2013, disse à Lusa que continua sem reconhecer estes resultados, aguardando igualmente pelas conclusões da assembleia de apuramento geral, que se realiza sempre no segundo dia útil após as eleições.

"Os primeiros dados apontavam para uma diferença de quatro votos mas, afinal, três desses já são nulos. Nesta altura não há certeza de nada", disse, por seu turno, António Barbosa.

A Câmara de Monção era liderada há 16 anos por José Emílio Moreira (PS) que, devido à lei da limitação dos mandatos autárquicos, não pôde recandidatar nestas eleições.

Certo é que a votação do PS, com o atual vice-presidente da Câmara, caiu praticamente para metade face a 2009 (68,37% há quatro anos), enquanto o PSD quase duplicou (dos anteriores 20,89%).

Os dois partidos, segundo os mesmos dados, garantiram igual número de mandatos autárquicos (3). Já o CDS-PP, que não apresentou candidatura em 2009, foi o terceiro partido mais votado nas eleições deste ano, com a lista liderada pelo atual deputado Abel Baptista a garantir 2.221 votos (17,77%) e um eleito no executivo camarário.

Augusto Domingues garante que se os atuais resultados se confirmarem vai formar um executivo minoritário, não admitindo, para já, qualquer aliança com PSD ou CDS-PP.

"Estou decidido a não fazer qualquer coligação. Vamos ver a evolução, acho que a Câmara não será ingovernável, levaremos todas as propostas ao executivo e nenhum dos meus adversários, se se confirmarem estes resultados, quererá marcar passo no desenvolvimento do concelho", rematou Augusto Domingues.

No atual executivo o PS conta com seis vereadores, contra apenas um do PSD.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG