Manuel Monteiro recusa "tabus" e põe-se fora da corrida às presidenciais

O ex-líder do CDS Manuel Monteiro recusa-se a alimentar tabus e afastou, desde já, qualquer cenário de uma eventual candidatura às eleições para Presidente da República, em 2021.

"Não gosto de tabus", afirmou, com um sorriso, Manuel Monteiro à Lusa, garantindo que, para ele, uma candidatura a Belém "é um não assunto" e que "merece uma resposta clara e inequívoca" -- um "não".

"É um assunto que acaba sem ter começado", garantiu ainda o antigo presidente dos centristas que, apesar de estar à espera da conclusão do seu processo de refiliação, apoiou as ideias do candidato que venceu o congresso de Aveiro, no domingo, Francisco Rodrigues dos Santos.

Dentro do CDS, e antes do congresso, Abel Matos Santos, da Tendência Esperança em Movimento (TEM), afirmou-se, numa entrevista à Lusa, contra o apoio do partido a uma eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa às eleições presidenciais em 2021, embora nada tenha dito sobre Monteiro.

O novo presidente dos centristas, no seu discurso de vitória, no domingo, não se referiu uma só vez às presidenciais e, na entrevista à Lusa, na semana passada, remeteu qualquer decisão, a seu tempo, para os órgãos nacionais do partido, embora defendendo que é preciso fazer "um balanço" do "mandato presidencial" de Marcelo.

Antes e depois do congresso, dirigentes nacionais ouvidos pela Lusa admitem que a questão presidencial é, internamente, "muito sensível", admitindo que um dos nomes possíveis da área da direita para esta eleição -- que depende da vontade própria do candidato -- seria o do ex-líder do partido Manuel Monteiro.

No final de outubro, a direção de Assunção Cristas optou por não decidir até ao congresso de janeiro a refiliação no CDS do ex-líder, que deixou o partido em 1998 para fundar a Nova Democracia (ND).

Após uma progressiva reaproximação aos centristas, desde que se afastou da ND em 2009, Manuel Monteiro participou em várias iniciativas do seu antigo partido, a convite da Tendência Esperança em Movimento (TEM), no ano passado.

Em setembro, entregou a ficha de refiliação na concelhia da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, que aprovou a sua inscrição.

A direção decidiu nada decidir, o que foi considerado um "ato censório" que "não cabe num partido que se diz pluralista e democrático", como afirmou Abel Matos Santos, à margem do conselho nacional do partido, em 17 de outubro.

Os cinco candidatos à liderança, incluindo o vencedor, são favoráveis ao regresso de Manuel Monteiro.

Mais Notícias