"A ideia de que vou para outro partido é mesmo uma descomunal risota"

Dirigente do SOS Racismo e ex-assessor do Bloco na Assembleia da República, bate a porta "em profunda divergência" com o partido.

"A minha desvinculação resulta de uma profunda divergência, pois o que renego não é o projeto que deu origem ao Bloco, mas no que o partido se tornou ao longo do tempo", escreveu esta segunda-feira o ativista antirracismo Mamadou Ba numa declaração à comunicação social. Horas depois, acrescentaria no Facebook: "A ideia de que vou para um outro partido qualquer é mesmo uma descomunal risota..."

Mamadou Ba explica que a formalização da saída do Bloco de Esquerda resulta de "uma decisão tomada em janeiro deste ano, no rescaldo dos acontecimentos do Bairro Jamaica".

Uma intervenção policial naquele bairro do concelho do Seixal em janeiro deu que falar. Segundo a PSP, a polícia foi chamada ao local devido a "uma desordem entre duas mulheres", mas um grupo de homens reagiu à ação policial atirando pedras. Da intervenção policial resultaram cinco civis e um agente da PSP feridos.

A deputada bloquista Joana Mortágua partilhou um vídeo do sucedido no qual se acusava a PSP de "violência gratuita" e de racismo.

No dia seguinte, uma manifestação contra o racismo convocada nas redes sociais e iniciada frente ao Ministério da Administração Interna, terminou no Marquês de Pombal com tiros, arremesso de pedras e detenções.

Na sequência dos incidentes, Mamadou Ba, também no Facebook, ao desabafar sobre "pseudo radicais iluminados", criticou a "bosta da bófia".

O ativista relembra que a militância no Bloco dura desde a sua fundação e que desempenhou funções "enquanto membro da Mesa Nacional, da Comissão de Direitos e da Coordenadora Concelhia de Lisboa".

A direção do Bloco, interpelada pelo DN, não comenta.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG