Elisa Ferreira vende ações da Sonae e tem oito dias para se explicar sobre fundos

Comissária indigitada contactou Comissão sobre "aspeto da sua declaração de interesses". Em causa estará a sua pasta e o cargo ocupado pelo marido. E já deu ordem de venda das ações da Sonae, estimadas em 13 800 euros.

A comissária europeia indigitada Elisa Ferreira tem oito dias para prestar esclarecimentos à Comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu sobre eventuais incompatibilidades por tutelar a pasta da Coesão e Reformas e as funções que o seu marido, Fernando Freire de Sousa, desempenha, como presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), entidade que é responsável pela aplicação de fundos comunitários.

Depois de prestados os esclarecimentos até dia 27 de setembro, a comissária Elisa Ferreira deverá ser ouvida pelos eurodeputados das comissões do Desenvolvimento Regional (comissão competente), dos Orçamentos e dos Assuntos Económicos e Monetários (comissões associadas) no dia 2 de outubro, das 18.30 às 21.30 (hora em Bruxelas, menos uma em Lisboa), segundo informação do Serviço de Imprensa do Parlamento Europeu.

Elisa Ferreira contactou os serviços da Comissão Europeia para pedir esclarecimentos relativamente a "uma questão relacionada com um aspeto da sua declaração de interesses", revelou esta quinta-feira a porta-voz do executivo comunitário, citada pela Lusa.

"Posso confirmar que a comissária indigitada Elisa Ferreira contactou os serviços da Comissão sobre uma questão relacionada com um aspeto da sua declaração de interesses [financeiros]. Estamos a analisá-la e providenciaremos aconselhamento sobre essa matéria. Entenderá que não o faremos nesta sala de imprensa", declarou Mina Andreeva na conferência diária da Comissão Europeia, em Bruxelas.

A porta-voz do executivo comunitário respondia a uma questão sobre a possível existência de um conflito de interesses entre a pasta que a comissária indigitada para a pasta da Coesão e Reformas, que Portugal irá tutelar, e o cargo ocupado pelo marido, Fernando Freire de Sousa, que é presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), uma entidade responsável pela aplicação de fundos comunitários.

A Comissão de Assuntos Jurídicos não vê incompatibilidades neste facto, por o marido de Elisa Ferreira ser um servidor público, não existindo uma relação direta nas funções dos dois, conforme apurou o DN,

Outra questão levantada esta quinta-feira é o facto de Elisa Ferreira deter ações da empresa Sonae, que também levantava uma questão de incompatibilidade. Esta é uma questão que atinge outros comissários indigitados, mas facilmente ultrapassáveis.

Entretanto, a comissária europeia Elisa Ferreira garantiu, em comunicado enviado às redações, que, face a questões levantadas sobre a detenção de ações da Sonae SGPS, decidiu esta quinta-feira "dar ordem de venda [das ações da Sonae, que terão um valor de 13 800 euros], o que deverá ser concretizado durante o dia".

[notícia atualizada às 14.00 com a informação da venda das ações]

Mais Notícias

Outras Notícias GMG