"É preciso esforço muito grande agora para salvar o Natal"

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que se impõe nesta altura "um esforço muito grande" para travar a propagação do coronavírus e "salvar o Natal" das famílias dos cerca de 5 milhões de portugueses e lusodescendentes no estrangeiro.

Augusto Santos Silva falava na comissão parlamentar de Assuntos Europeus, onde foi ouvido acerca da cimeira de líderes da União Europeia (UE) dedicada à pandemia que se realiza na quinta-feira por videoconferência.

O ministro foi questionado por deputados do PS, BE e PCP sobre a eventualidade de novas restrições às viagens internacionais devido ao atual agravamento da situação epidemiológica, com a bloquista Fabíola Cardoso a evocar designadamente o habitual fluxo de portugueses no estrangeiro para se reunirem com as famílias em Portugal na época do Natal.

"Creio que temos de fazer nestes dias um esforço muito grande para conter o alastramento do vírus, exatamente para podermos salvar o Natal", disse o ministro.

Frisando não querer imprimir um "tom dramático" à expressão, Santos Silva explicou que, sendo o Natal "uma ocasião muito importante de reunião familiar", em Portugal ela envolve potencialmente as famílias de 2,3 milhões de portugueses residentes no estrangeiro, número que ascende a 5 milhões quando se contam também os que já nasceram fora do país.

"É muito importante que na Europa consigamos conter o vírus de forma a preservarmos esse bem maior que é a mobilidade intraeuropeia", disse Santos Silva, acrescentando que, para fora da Europa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros continua "a desaconselhar vivamente viagens não essenciais", "designadamente para países fora da UE e países sem representação diplomática portuguesa".

Nas respostas aos deputados que o questionaram sobre eventuais novos fechos de fronteiras na UE ante o atual agravamento da pandemia, o ministro insistiu que Portugal sempre foi e continua a ser contra medidas desse tipo, mas considerou que todos os países da UE "aprenderam bastante com o resultado que isso teve" e sabem hoje que sempre que houve coordenação foram criadas "melhores condições combater pandemia".

Mais Notícias