Costa: "Há problemas, mas há vontade de os ultrapassar e de alcançar acordo"

O primeiro-ministro diz que "há vontade de ultrapassar esses problemas" com o Reino Unido.

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje que persistem divergências entre a União Europeia (UE) e o Reino Unido sobre a futura parceria, mas destacou que "há vontade de ultrapassar esses problemas", acreditando num acordo pós-Brexit.

"Vejo como bom sinal o facto de os contactos se manterem e de ontem [quarta-feira] ter havido mais um encontro entre a presidente da Comissão Europeia e o primeiro-ministro Boris Johnson e de terem ficado claros quais os pontos de divergência, mas também a vontade comum de os ultrapassar e de terem mandato as equipas para trabalharem intensamente para ultrapassarem os pontos em que ainda não há acordo, de forma a lograr acordo", frisou António Costa.

Falando à imprensa junto do secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), Jens Stoltenberg, após uma visita à sede da Aliança Atlântica em Bruxelas, o chefe de Governo português notou que "se não houvesse vontade de haver acordo, certamente ontem [Von der Leyen e Boris Johnson não teriam jantado juntos [...] nem teriam mandatado as equipas para continuarem a trabalhar".

"Acho que isso é bom sinal: é sinal que há problemas, mas que há vontade de ultrapassar esses problemas", apontou António Costa.

Já relacionando o 'Brexit' com a Aliança Atlântica, o governante notou que "o Reino Unido não sai da NATO".

"Portanto, mantém-se nosso aliado, assim como relativamente à UE, saindo da UE, é fundamental que mantenhamos relação futura de vizinhos e parceiros comerciais próximos", adiantou António Costa.

Na quarta-feira à noite, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, recebeu em Bruxelas o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, para um jantar para discutir o pós-Brexit numa altura decisiva das negociações.

No final do encontro, Ursula von der Leyen vincou em comunicado que deverá ser tomada uma decisão acerca de um acordo pós-Brexit até domingo, sublinhando que as posições dos dois parceiros se mantêm "muito distantes".

Do lado britânico, fontes diplomáticas também deram conta de uma "discussão franca sobre os obstáculos significativos que se mantêm nas negociações", e frisaram que permanece "um fosso muito grande" entre o Reino Unido e a UE, sendo "incerto se estas [diferenças] podem ser ultrapassadas".

UE e Reino Unido tentam chegar a acordo sobre as relações futuras, já que a partir de 01 de janeiro de 2021 -- data que coincide com o arranque da presidência portuguesa do Conselho da UE, no primeiro semestre do ano --, o Reino Unido, que abandonou o bloco europeu em janeiro de 2020, deixa de gozar do chamado período de transição, mantendo o acesso dos britânicos ao mercado único.

Na ausência de um acordo, as relações económicas e comerciais entre o Reino Unido e a UE passam a ser regidas pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e com a aplicação de vários controlos alfandegários e regulatórios.

Já hoje, a Comissão Europeia apresentou um conjunto de medidas de contingência específicas nas áreas dos transportes e das pescas, tendo em vista as incertezas sobre um acordo pós-'Brexit' entre a UE e o Reino Unido.

António Costa está em Bruxelas para participar na cimeira de líderes da União Europeia, que arranca hoje.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG