Bloco de Esquerda exclui voto a favor ao Orçamento para 2020

Catarina Martins indicou esta tarde que a Mesa Nacional do Bloco de Esquerda decidiu não votar positivamente o Orçamento de Estado (OE) do governo socialista.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, indicou este sábado que a mesa nacional do Bloco de Esquerda decidiu não votar a favor o Orçamento de Estado. Contudo, salvaguardou que ainda existe possibilidade do seu partido se abster - viabilizando assim o OE de 2020-, caso as negociações entre o BE e o PS encontrem "um caminho possível" de atendimento.

No final da mesa nacional do BE, a coordenadora do partido explicou que o partido tem uma visão crítica de um orçamento de Estado que "interrompe o caminho de recuperação dos últimos quatro anos". O BE, entre outras críticas, sublinhou o facto de não existirem medidas concretas de recuperação dos rendimentos de trabalho dos portugueses.

"A Mesa Nacional do BE considera que não há condições para o BE votar favoravelmente a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo Governo", anunciou Catarina Martins na conferência de imprensa após a reunião daquele órgão máximo entre convenções.

A mesa nacional do BE mandatou a Comissão Política do partido para as reuniões com os socialistas que terminam na próxima sexta-feira.

A Mesa Nacional "regista que estão em curso ainda negociações entre o BE e o Governo, o PS e achou por bem não interromper esse processo negocial", tendo a Comissão Política sido mandatada "para prosseguir o processo negocial que vai permitir ao longo da próxima semana, e ainda antes de sexta-feira, verificar se há algum caminho possível para matérias orçamentais fundamentais que o BE propõe".

"Se houver esse caminho o BE poderá abster-se e viabilizar o Orçamento. Se estas negociações não derem esse caminho necessário, o BE votará contra o OE2020", avisou.

A proposta de OE2020 foi entregue pelo Governo na Assembleia da República em 16 de dezembro e começa a ser discutida em plenário na generalidade na quinta-feira, sendo votada no dia seguinte.

A proposta de OE2020, que prevê o primeiro excedente da democracia (0,2% do PIB), foi entregue pelo Governo na Assembleia da República em 16 de dezembro e começa a ser discutida em plenário na generalidade na quinta-feira, sendo votada no dia seguinte.

(Notícia atualizada às 19:15 com novo título)

Mais Notícias