"Se é para mostrar alguma coisa, que se mostre tudo"

Licenciado em Direito Económico pela Universidade de Lisboa, especializou--se em jornalismo financeiro nos EUA. Começou a carreira no semanário O Jornal. Colunista no Jornal de Negócios, é comentador na TVI, onde apresenta o programa Contas na TV, no qual esclarece as dúvidas dos telespectadores sobre questões de finanças pessoais.

O que é que te irrita nos inquéritos de verão e saltamos já essa parte?

O que me irrita são aquelas perguntas que são só para encher papel. Despidas de conteúdo. Isso irrita-me bastante.

O que é que nunca te perguntaram num inquérito de verão e começamos por aí?

Nunca me fizeram perguntas inspiradas. Com conteúdo e com humor.

(Se calhar também não vai ser desta)

No livro de Italo Calvino, o Sr. Palomar olhava um seio nu na praia com imparcial objetividade. E tu, de zero a dez, qual é o teu descaramento?

É o descaramento que baste. Ou seja, nós olhamos para aquilo que é bonito e que a natureza esculpiu com toda a sua cordialidade. Nesse aspeto não sou imparcial, mas obviamente há um limite que é o limite da decência, embora isso seja uma coisa muito relativa, eu gosto de pensar assim.

Passa uma mulher bonita na praia, olhas descaradamente ou vais buscar os óculos de sol para poderes ver sem virar o pescoço?

Primeiro não tenho por hábito virar o pescoço para estar a ver situações dessas. Não gosto que a minha curiosidade deixe alguém desconfortável. Portanto, não faço isso. E não escondo nada com óculos de sol.

Toda a gente pergunta que livro levarias para as férias, eu pergunto que livro escreverias nestas férias?

Os clichês da economia portuguesa. Portugal é um país cheio de clichês por isso é que nós empobrecemos. Era esse o livro que eu escreveria.

Com tantas más notícias sobre aviões quero saber: ficas cá ou és corajoso?

Sou totalmente corajoso, continuo a achar que é muito mais perigoso andar de automóvel do que andar de avião.

Um paparazzo fotografa-te nu numa praia, preferes aparecer na capa de frente ou de costas?

Se é para mostrar alguma coisa, que se mostre tudo.

Vais a uma praia mas está cheia de concorrentes da Casa dos Segredos, mudas de praia ou ficas para ver se estão domesticados?

Mudo de praia, seguramente.

De zero a dez quanto é que encolhes a barriga na praia?

Não encolho nada porque atualmente estou em forma física e não preciso de encolher a barriga.

Bola-de-berlim, com creme e que se lixe a ASAE ou com creme e que se lixe a linha?

Sem creme e que se lixe, mas que se lixe mesmo a ASAE.

A família do chapéu ao lado do teu não se cala com as histórias da novela da noite. Ficas a ouvir ou mudas de País?

Mudar de praia ou mudar de sítio mudaria, de país já é mais difícil.

Atendes o telefone na praia e toda a gente fica a saber da tua vida ou consegues falar num tom normal?

De maneira nenhuma, aqui a discrição é um elemento fundamental da vida de um jornalista.

Costumas levar revistas cor-de-rosa para a praia ou escolhes outra cor?

Escolho outra cor, não tenho paciência para revistas cor-de-rosa.

Nas férias preferias confiar as tuas poupanças a um bancário ou a um banqueiro?

Sempre a um bancário. Nunca a banqueiro na atual conjuntura.

Vamos a contas, de zero a BES quanto costumas exagerar nos gastos das férias?

Olha, eu sou muito contido. Aliás, seria muito feio se eu andasse a dar conselhos de finanças pessoais às pessoas e fosse um gastador compulsivo. Costumo gastar com conta, peso e medida.

O teu dinheiro está melhor offshore ou onshore?

Está melhor onshore porque nós temos de ser transparentes. Se andamos aqui a criticar outros pelos disparates que fazem, não podemos ser nós a dar maus exemplos.

Se houvesse uma pessoa chamada bode expiatório, hoje em dia estaria em maus lençóis?

Seguramente. Seguramente.

És barrado à porta da discoteca. Chamas o gerente ou soltas o clássico: você sabe quem eu sou?

Nunca utilizo esse argumento. Quando não gosto chamo o gerente ou um responsável, mas provavelmente, como sou uma pessoa que acredita na concorrência, diria assim: your loss. Agora vou para outro sítio! Vou gastar o dinheiro para outro sítio.

És dos que quer estacionar o carro dentro da praia ou aceitas bem o facto de ter chegado tarde e ter de estacionar lá atrás como os outros.

Naturalmente! Acho que isso é uma falta de civismo inacreditável. Nestas coisas temos de ser democratas. Atrasámo-nos, vamos pôr o carro onda há lugar. Não vamos é violar os passeios e coisas desse género.

Somos um país de comentadores ou treinadores de bancada?

Há muito treinador de bancada que acha que é comentador... e diz as maiores enormidades.

Não tens saudades do tempo em que a Silly Season era mesmo silly?

Eu acho que continua a haver Silly Season, ela está é cada vez mais estúpida.

Mais Notícias