Ex seguranças de Gisele Bündchen em tribunal

Os três guarda-costas tentaram impedir fotógrafos de captar imagens da festa de casamento da manequim e agora são acusados de tentatica de homicídio

A manequim brasileira Gisele Bündchen vê, por estes dias, o seu nome envolvido numa polémica com a justiça. Um tribunal da Costa Rica iniciou esta segunda-feira o julgamento de três antigos guarda-costas da modelo pelo crime de tentativa de homicídio ao disparar, em 2009, contra o veículo de dois fotógrafos.

Os porto-riquenhos Manuel Valverde, 26 anos, e Miguel Solís, 43 anos, e o colombiano Alejandro Valverde, 34 anos, são acusados pela agressão.

De acordo com imprensa internacional, o alegado incidente, que envolveu Yuri Cortez, repórter fotográfico da agência France Press, e Carlos Avilés, de um jornal local, aconteceu a 4 de abril de 2009, perto da casa da modelo Gisele Bündchen, enquanto se realizava a festa de casamento da manequim e do futebol americano Tom Brady.

Cortez e Avilés tentavam tirar fotografias ao casamento quando foram abordados pelos guarda-costas, que exigiram que lhes entregassem os cartões de memória das máquinas mas os fotógrafos negaram fazê-lo.

Quando os repórteres se afastavam do local, um dos guarda-costas terá disparado contra o carro.

"Passaram mais de quatro anos e espero que se faça justiça porque a minha vida esteve em perigo porque eles tentaram me assassinar", afirmou Cortez em declarações à comunicação social.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG