Michael Jackson queria ser clonado

Jackson era obcecado pela ideia de imortalidade, e terá ido a uma conferência em Las Vegas sobre clonagem humana.

Michael Jackson tinha tanto medo de morrer, que queria clonar-se a si mesmo numa bizarra tentativa de estender o seu reinado pop, segundo o jornal Daily Mirror.

Jackson, que era obcecado pela ideia de imortalidade, terá até ido a uma conferência em Las Vegas sobre clonagem humana com o amigo Uri Geller.

O cantor teria ficado tão encantado com o que aprendeu com a seita, o movimento Raeliano, que terá pedido para o clonarem.

O motorista que o levou ao evento em 2002, disse que ele estava muito excitado com a possibilidade.

“Saiu da conferência eufórico como uma criança pequena. Ouvi Geller conversar com ele no banco de trás da limusine.”

“Michael falava na possibilidade de ser clonado. Segurou Geller pelos dois braços e disse: “Realmente quero fazer isso, Uri, e não quero saber quanto vai custar."

O movimento Raeliano é uma seita que acredita que a alma dos seres humanos morre quando o corpo morre, por isso a chave para a vida eterna é a clonagem, recriar indivíduos com toda sua carga genética.

A seita tem um braço científico, o Clonaid, que promove eventos para levantar fundos para novas pesquisas na área da clonagem em Hollywood.

“Ele ficou absolutamente fascinado com esta história,” disse o motorista.

“Estava convencido que eles podiam clonar humanos. Queria uma versão de si mesmo para levar adiante o seu legado. Queria que Michael Jackson vivesse para sempre.”

Nos anos 1990, Jackson namorou a ideia de ser congelado antes de morrer.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG