Ex-porta voz da Cientologia aconselhou Travolta a recusar "Pulp Fiction"

Antigo porta-voz da Cientologia revelou num novo documentário que aconselhou John Travolta a recusar a participação em "Pulp Fiction", pela personagem que este acabaria por interpretar. "Com sensatez, ele ignorou-me", recorda Mike Rinder

O ator norte-americano John Travolta foi aconselhado, por um ex-alto representante e porta-voz da igreja da Cientologia, a recusar aquele que viria a ser um dos mais importantes papéis da sua carreira: o da personagem Vincent Vega no filme de culto Pulp Fiction, realizado por Quentin Tarantino.

Foi o próprio indivíduo em questão, Mike Rinder, quem contou a história, no mais recente episódio da série documental Leah Remini: Scientology and the Aftermath, emitido pelo canal por cabo A&E. O ex-responsável, que foi braço-direito do fundador da Cientologia, admitiu ter discordado da participação de Travolta no célebre filme lançado em 1994.

"Tenho uma história que não sei se devo partilhar", começa por explicar Rinder. "Quando Quentin Tarantino contactou John Travolta para um papel em Pulp Fiction, John pediu-me para rever o guião e dar-lhe a minha opinião. Ao perceber que iria interpretar um assassino com dependência de heroína, disse-lhe para não o fazer. Com sensatez, ele ignorou-me", conta. Um descrédito que lhe valeu uma nomeação aos Óscares na categoria de Melhor Ator Principal nesse mesmo ano.

John Travolta juntou-se à Cientologia na década de 1970, mas não é a única estrela de Hollywood que declara estar ligada a esta comunidade. Tom Cruise é outra das personalidades que assume publicamente o seu vínculo com a Cientologia, sendo um dos seus principais embaixadores. Em 2009, Travolta afirmou que esta igreja o ajudou a superar a morte do filho de 16 anos.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG