Cientologia: Poder e influência entre as "estrelas"

Katie Holmes receava que a filha fosse educada segundo princípios de uma organização que ganhou poder infiltrando-se nas instituições públicas de várias países.

As "diferenças irreconciliáveis" alegadas pela atriz Katie Holmes para anunciar o seu divórcio de Tom Cruise vão para lá da fórmula tradicionalmente utilizada em Hollywood para referir separações de artistas com diferentes perspetivas de gestão das respetivas carreiras. Neste caso, elas referem-se aos receios de Katie Holmes sobre a educação e o futuro da filha, Suri, segundo as regras da cientologia, uma crença com acusações de fanatismo de que Cruise é um dos principais arautos.

Neste contexto, a batalha pela custódia de Suri será fundamental. A atriz quer afastar a filha da influência de uma organização que, em vários países europeus, tem sido condenada por fraude e corrupção. Mesmo nos Estados Unidos, o FBI investiga alguns dos seus altos responsáveis por trabalhos forçados e tráfico humano. Katie Holmes, uma católica por origem e formação, aceitou a religião do marido e casou-se com ele segundo o rito da cientologia. Um divórcio tornará quase impossível uma relação entre os pais de Suri, já que a cientologia não permite a existência de quaisquer laços com antigos membros. A organização dificulta ao máximo (com meios de legalidade duvidosa ou mesmo inexistente, segundo acusações) a saída de alguém e Katie Holmes queixou-se mesmo de ser vigiada de perto e ostensivamente desde a separação.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG