Bruni não aproveita potencial; Valérie cai no excesso

Mário Lopes, português e melhor cabeleireiro do mundo em 2011, tem um salão em Paris, ao lado da casa de Carla Bruni, e considera que o penteado da nova primeira-dama francesa, Valérie Trierweiler, "tem uma outra apresentação".

Valérie Trierweiler, 47 anos, jornalista, é companheira do Presidente francês eleito, François Hollande, há quase uma década. É bonita, elegante, veste roupa clássica e usa quase sempre saltos altos. Sucede à mundialmente famosa ex-modelo e cantora pop Carla Bruni.

A nova primeira-dama usa o cabelo castanho, um pouco acima dos ombros, escadeado, com volume, risco ao lado, com a testa descoberta. "Pelo menos na apresentação, na maneira de se maquilhar, na maneira de se pentear, é tudo menos" a mulher "discreta" do Presidente que se disse "normal".

Mário Lopes, que, no salão da avenida Mozart, no 16.º bairro de Paris, dá estilo a cabelos de ricos e famosos, considera que entre os penteado de Valérie e de Carla a diferença é muito grande.

"Acho que a Valérie tem uma apresentação que não tem a Carla Bruni. Dá mesmo o exemplo da mulher que se aperfeiçoa, que se ocupa de si mesma, e que apresenta o melhor que consegue", diz à Lusa.

Carla Bruni Sarkozy, conta, recebia mais críticas do que elogios e nunca ninguém veio aqui querer copiar o corte de cabelo dela: "Nem sei se se pode falar de estilo. Uma franja e o cabelo pendurado... Se eu pudesse fazê-la entrar! Acho que a Carla se escondia atrás do corte de cabelo que tinha, em vez de, como devia, mostrar a testa e o rosto", explicou.

"Ela não aproveita o seu potencial. É uma mulher bonitíssima, que mereceria uns penteados um bocadinho mais adaptados ao seu potencial", acrescentou.

Mas isto não quer dizer que a nova inquilina do Eliseu esteja, na perspetiva do vencedor do troféu mais desejado entre os cabeleireiros, a fazer tudo bem com o seu penteado: "Imagino uma e outra a levantarem-se de manhã, uma deve pentear-se com as mãos e a outra deve ficar algum tempo a pentear-se, a pôr laca, a fazer volume. Creio que há um bocadinho de excesso de Valérie nesse sentido", disse.

"A nova primeira-dama tem um cabelo um bocadinho clássico demais e sofisticado demais para a idade que tem. O volume é necessário ao rosto dela, mas acho que o acabamento do corte devia ser mais rebelde, mais despenteado", acrescentou.

Ainda assim, sem margem para dúvidas, Mário Lopes prefere "a apresentação" de Valérie: "A testa descoberta dá outra imagem. Tanto que a maior parte das cabeças coroadas têm que ter a testa descoberta", brincou.

Mário Lopes, que trocou Ourém por Paris aos 13 anos, ganhou a 6ª edição dos 'Hairdressing Awards' em 2011 entre cerca de 500 candidatos de todo o mundo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG