Prepare-se: Portugal entra na "onda de calor mais persistente" do ano

Durante a próxima semana Lisboa terá temperaturas máximas entre 36º C e 39º C entre segunda a quinta-feira e distritos do interior como Santarém, Beja, Évora e Castelo Branco deverão chegar aos 40º C

Portugal entrou hoje naquela que é, até ao momento, a "onda de calor mais persistente" deste ano, que deverá durar cerca de uma semana. Segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Lisboa terá temperaturas máximas entre 36º C e 39º C entre segunda a quinta-feira e distritos do interior como Santarém, Beja, Évora e Castelo Branco deverão mesmo superar a fasquia dos 40º C.

"Não tinha acontecido um valor alto tão consistente durante vários dias, mas já se registaram temperaturas superiores. A temperatura já subiu esta sexta-feira, mas vai subir ainda mais este sábado", conta ao DN Cristina Simões, meteorologista de serviço do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Se os distritos da Guarda, Bragança, Vila Real, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Évora, Beja e Setúbal já estão sob aviso amarelo até às 21.00 deste sábado devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima, a estes vão juntar-se os de Coimbra, Leiria, Santarém e Lisboa. "Vai continuar assim a semana toda. Domingo há uma ligeira diminuição da temperatura, mas a a partir de segunda-feira volta a aumentar. Ainda não tinha acontecido um tempo quente tão persistente, mas já houve dias com valores perto dos 40ºC no Alentejo, o que vai acontecer agora", prevê a meteorologista do IPMA, que dá conta que a entidade vai "reforçar a ideia de que o calor vai persistir".

O aviso amarelo, refira-se, é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

"As regiões do interior e do vale do Tejo vão ser as mais afetadas", frisa Cristina Simões, especificando que o calor deverá fazer sentir-se de forma mais intensa nos distritos de Évora e Beja.

Durante o fim de semana, a temperatura máxima deverá variar entre os 30 e 35 graus na generalidade do território nacional, com valores ligeiramente inferiores junto à faixa costeira (entre 25 e 30 graus), e devendo atingir valores entre 35 e 40 graus em algumas regiões do interior. Esta noite também já se vai sentir uma nova subida dos valores da temperatura mínima. Os valores deverão variar entre 15 e 25 graus, sendo mais elevados no interior e no sotavento algarvio.

Na origem do tempo quente está "um anticiclone localizado sobre a região dos Açores, que se estende em crista até ao Golfo da Biscaia, em conjunto com uma depressão centrada no interior da Península Ibérica e a aproximação de um vale em altitude, que originam o transporte de uma massa de ar quente do norte de África com instabilidade no interior e subida de temperatura nos próximos dias".

Estes valores são considerados normais para a época do ano, mas "a ideia é que talvez a partir da próxima sexta-feira que as temperaturas possam descer ligeiramente".

20 concelhos de seis distritos em risco máximo de incêndio

20 concelhos dos distritos de Faro, Castelo Branco, Guarda, Viseu e Bragança apresentam esta sexta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA colocou também em risco muito elevado e elevado de incêndio vários concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental.

Segundo o IPMA, pelo menos até terça-feira vai manter-se o risco de incêndio máximo e muito elevado em vários distritos do continente por causa do tempo quente, que se vai manter elevada nos próximos.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Os cálculos são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa do tempo quente, o IPMA colocou sob aviso amarelo nove distritos de Portugal continental e a ilha da Madeira.

Mais Notícias