Mais 401 casos e seis mortes em 24 horas. Aumenta o número de internamentos

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde indica que há 41.556 recuperados, mais 199 do que no dia anterior.

Foram confirmados 401 novos casos de covid-19 e morreram mais seis pessoas nas últimas 24 horas. Portugal soma desde o início da pandemia 57.074 infetados e 1.815 vítimas mortais, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta sexta-feira (28 de agosto).

Há mais 199 pessoas recuperadas da doença, para um total de 41.556.

Portugal regista um aumento no número de pessoas internadas. São agora 334 doentes hospitalizados (mais 17 face ao dia anterior), dos quais 38 estão em unidades de cuidados intensivos (mais três).

Os dados indicam que Portugal tem atualmente 13.703 casos ativos, mais 196 face a quinta-feira.

Os óbitos que ocorreram nas últimas 24 horas registam-se em Lisboa e Vale do Tejo (quatro) e na região Norte (dois).

A taxa de letalidade é de 3,2% e acima dos 70 situa-se nos 15,4%, referiu a Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal.

Dos 401 novos casos, 182 foram identificados em Lisboa e Vale do Tejo - região soma quase 30 mil infetados desde o início da pandemia-, o que representa 45% do total nacional.

O Norte é a segunda região com mais novos casos, ao reportar 166 diagnósticos de covid-19 nas últimas 24 horas. No Centro, foram confirmados mais 29 infetados, o Alentejo reporta nove casos, o Algarve regista mais 10 e a Madeira mais cinco.

60 lares com casos positivos

A secretária de Estado Adjunta e da Saúde referiu que, desde a pandemia, há 4.401 profissionais de saúde que foram infetados com o novo coronavírus.

Jamila Madeira indicou ainda que há 60 lares com casos positivos, dos quais 523 dizem respeito a utentes.

Perante o aumento de casos verificado nestes últimos dias, a secretária de Estado volta a alertar que "o vírus não vai de férias e em todos o momento temos de aplicar medidas de segurança".

A diretora-geral da Saúde afirmou que é ainda "precoce conseguir explicar" o aumento de infeções, mas disse na conferência de imprensa que "há um clima favorável a que isso possa acontecer". Disse que "há um aumento da atividade do vírus em toda da Europa" e que se tem tentado "um equilíbrio entre medidas de saúde pública e a retoma da vida normal, como o turismo". "Com isso, há um maior contacto de pessoas e pode gerar um aumento do número de casos", disse Graça Freitas.

O boletim da DGS indica que os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, sendo entre os 40 e os 49 anos que se registam mais infeções.

No total, a doença afetou 25.646 homens e 31.428 mulheres, de acordo com os casos declarados.

Do total de vítimas mortais, 915 eram homens e 900 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 33.930 pessoas (mais 64 do que na véspera).

De referir que, na quinta-feira, o Governo anunciou que todo o país vai entrar em estado de contingência a partir de 15 de setembro.

"O que temos visto um pouco por toda a Europa é um aumento dos números nos últimos dias e o governo não pode ficar indiferente a esse aumento e não pode deixar de se preparar", disse a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, na sequência de uma reunião do Conselho de Ministros.

Surto de Mora controlado

Esta sexta-feira, o presidente da Câmara de Mora afirmou que o surto de covid-19 nesta vila alentejana está controlado, após o quinto dia sem registo de novos casos, mantendo-se em 59 o número de pessoas infetadas.

"Sim [está controlado]. Em seis dias, um único caso que apareceu foi numa casa onde já havia uma pessoa infetada. As cadeias [de contágio] estão perfeitamente identificadas, quem estava contaminado está controlado. A situação tem tendência para melhorar", afirmou Luís Simão, questionado pela Lusa.

Das 59 pessoas infetadas, cinco continuam internadas no Hospital do Espírito Santo de Évora, uma das quais em cuidados intensivos, indicou o autarca, referindo haver já quatro casos curados.

Espanha autoriza ensaios clínicos de potencial vacina em humanos

Também esta sexta-feira a agência espanhola do medicamento anunciou que autorizou ​​​​ensaios clínicos em humanos de uma potencial vacina

O ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa, explicou, em conferência de imprensa, que 190 adultos vão testar o fármaco, que está a ser desenvolvido pelo laboratório farmacêutico Johnson & Johnson.

Salvador Illa explicou que se trata de uma fase 2 dos testes clínicos, que vão ser realizados em três países europeus: Espanha, Alemanha e Bélgica. Os ensaios vão ter uma participação de 590 pessoas.

Um terço do total de participantes são espanhóis, com mais de 18 anos, nos quais se incluem também pessoas com mais de 65 anos.

"O recrutamento começa rapidamente, se não for hoje na próxima semana", assegurou Salvador Illa sobre os ensaios clínicos que vão durar meses e irão ocorrer em três centros hospitalares.

Pandemia já fez mais de 832 mil mortos

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte de pelo menos 832.336 pessoas e infetou mais de 24,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência francesa de notícias, até às 11:00 de hoje (hora de Lisboa), já morreram pelo menos 832.336 pessoas e há mais de 24.509.180 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019, na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 15.772.000 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG